Christian Carvalho Ganzert … “Da graduação, mestrado e doutorado à fundação da T4 Corp”

  • Christian Carvalho Ganzert, bacharel em Ciências da Informação e da Documentação e Biblioteconomia  – FFCLRP/USP. Mestre em Administração de Organizações – FEARP/USP. Doutor em Administração USP.

Esse post contará em detalhes a trajetória incansável e vitoriosa do Christian Ganzert. Trabalho, estudo e esporte foram, segundo Christian, as variáveis mais importantes para que pudesse manter o rumo de seus objetivos durante a fase inicial de sua vida produtiva. Fase essa que o levaria a fundar a empresa T4 Corp, especialista em digitalização e armazenagem de documentos.

Origens

580781_4763729173418_1457383656_n

Christian Ganzert

Em 13 de fevereiro de 1979, Christian Carvalho Ganzert tornou-se o primeiro filho de um improvável casal da cidade de São Paulo. Sua mãe era caixa do extinto Banespa e seu pai músico profissional. Em meio às dificuldades típicas de famílias constituídas por casais jovens, foi criado ao lado de uma irmã caçula em diferentes bairros da capital paulistana, sempre estudando em escolas públicas do Estado e do Município. Em termos educacionais, acredita que sua maior sorte foi, aos nove anos de idade, ter estudado na Escola Municipal de Primeiro Grau Julio Mesquita, um dos poucos resquícios de educação pública de qualidade da cidade. Sua família se mudou para o Butantã, bairro da referida escola, região que contava com a proximidade da USP para fornecimento de mão de obra qualificada às escolas locais.

Dessa forma, apesar das limitações do orçamento educacional público, e das dificuldades relativas à condição econômica de sua família, conseguiu adquirir boas referências para sua formação inicial. Tanto pela necessidade quanto pela filosofia de sua mãe, começou a trabalhar cedo aos 14 anos de idade. Aproveitando-se da facilidade que tinha em lidar com novas tecnologias – já devorava livros de informática desde os dez – trabalhava como operador de redes em uma indústria de produtos químicos durante a semana e como arte-finalista aos finais de semana. Além do trabalho, o esporte era um de seus maiores interesses na época, tendo se tornado atleta de esgrima e competido em campeonatos nacionais e internacionais entre os 14 e os 17 anos.

Trajetória Profissional e Acadêmica

Christian ingressou na vida acadêmica pelo curso de graduação em Ciências Econômicas da Unicamp em 1997. Antes disso, terminou o curso técnico profissionalizante em Eletrônica da Fundação Paula Souza e, muito embora gostasse do trabalho com tecnologia, desde muito cedo ficou óbvio que seu caminho profissional seria na área de gestão e educação. Aos 19 anos encerraria o breve ciclo de trabalho operacional em TI para entrar por concurso no Banco do Brasil. Mesmo estudando em uma universidade pública, sua família não tinha recursos para lhe manter na cidade de Campinas. Apesar do currículo integral do Instituto de Economia, paralelamente ao curso na Unicamp desempenhou a função de Gerente de Expediente E.E. no Banco desde seu segundo semestre, tendo sido também encarregado na Superintendência São Paulo III. Lembra-se que sua principal impressão nessa época era de que o mundo corporativo destoava de quase tudo o que via em teoria na Universidade.

Após a escolha do tema da Monografia de Conclusão de Curso, “Corrida Espacial: Desdobramentos Econômicos do Embate Tecnológico entre potências”, foi surpreendido por uma promoção no trabalho, passando a Gerente de Relacionamento NR1 na principal unidade do Banco em Campinas, o que afastou-lhe dos estudos no último semestre de faculdade. Mais tarde, em 2001, abandonaria o Banco do Brasil para iniciar seu primeiro negócio, o Estúdio de Gravação BR-101 em Campinas, o que interromperia o seu relacionamento com a Unicamp.

Em 2003, por conta de um assalto às instalações do Estúdio, Christian teve que fechar seu primeiro negócio. A habilidade com línguas estrangeiras criou-lhe a oportunidade de uma experiência no comércio exterior. Após seis meses trabalhando como consultor para negócios internacionais para uma Holding de Gibraltar com filial no Brasil, chamada Ocean International Group, voltou a prestar concursos públicos, passando como técnico administrativo na Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo, Prodesp, mudando-se pela primeira vez para Ribeirão Preto. Em Ribeirão Preto, reapaixonou-se pela área de gestão e economia, especialmente de economia da informação. Finalmente, decidiu o que faria de sua vida: seria professor e pesquisador.

 Voltou à graduação no curso de Ciências da Informação da Universidade de São Paulo, USP, desenvolvendo pesquisas desde o primeiro ano na área de Economia Política da Informação e participando do circuito de encontros da Ulepicc. As pesquisas dessa época lhe aproximaram do Grupo de Sistemas da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, o qual lhe incorporou em 2008 para iniciar o Mestrado em Administração de Organizações, na FEARP-USP. Casou-se nesse mesmo ano.

Por conta da dedicação ao Mestrado, teve que abrir mão da Prodesp, na qual à época já ocupava uma cadeira no Conselho Representativo de Empresa. Sem bolsa, começou a trabalhar como Professor em 2009, no Centro Universitário Moura Lacerda, nos cursos sequenciais e de Contabilidade, nas disciplinas Introdução à Economia e Mercado de Capitais. No mesmo ano, foi convidado pela USP para substituir em caráter emergencial ao Prof. Dr. Edberto Ferneda durante todo o segundo semestre na disciplina de Administração de Serviços de Informação do Curso de Ciências da Informação, do qual era egresso. Reelaborou todo o conteúdo do curso e ministrou as aulas durante todo o semestre, de forma voluntária, a pedido do coordenador da época, Cláudio Marcondes de Castro Filho, por quem tem especial gratidão.

No mesmo ano de 2009, Christian foi contratado pela Uniesp, para dar aulas no Curso de Engenharia de Produção, assumindo as disciplinas de Planejamento e Controle da Produção I e II, Higiene e Segurança do Trabalho e Simulação Aplicada à Engenharia de Produção. Ao final do ano, foi convidado para ser o Gestor de Negócios da Bioted, empresa de biotecnologia instalada no Parque Tecnológico da Supera em Ribeirão Preto, o que gerou sua segunda experiência como gestor de uma startup.

Em 2010, saindo da Moura Lacerda, assumiu duas disciplinas no curso de Administração da Semar Unicastelo em Sertãozinho, Administração Pública e Epistemologia, mantendo ainda as disciplinas na Uniesp. Defendeu o Mestrado no início do ano, ao mesmo tempo em que passou no processo seletivo para o doutorado. No mesmo ano acumulou mais uma função, a de Gestor Financeiro da maior banca jurídica de contencioso de massa de Ribeirão Preto, o escritório Valente Advogados. Quatro empregos, e um filho a caminho. Thomas chegou ao mundo quando Christian trabalhava em média 17 horas por dia.

Seu contrato com a Bioted se encerrou ao final de 2010, quando Christian passou a prestar consultoria para outras empresas, além de manter o cargo na banca de advogados e cumprir os créditos do Doutorado. Saiu da Uniesp no meio de 2010 para dar aulas na Facig de São Joaquim da Barra, no curso de Administração, sob as disciplinas Teoria Geral da Administração I e II, Administração da Produção e Administração Patrimonial e de Materiais. Acabou por divorciar-se no mesmo período.

No primeiro semestre de 2011, Christian saiu da Facig para dar aulas na Fafibe de Bebedouro, no curso de Administração, nas disciplinas Administração de Tecnologia da Informação, Administração de Serviços e Teoria Geral da Administração. No mesmo ano, desenvolveu o material dos cursos de Pós-Graduação em Gestão de TI do UniSEB. Além de 20 horas de aulas por semana, continuava na gestão do Valente, quando foi convidado pelo Professor Werner Baer para terminar seu doutorado, com dedicação integral à pesquisa, através de um período de estágio na Universidade de Illinois em Urbana-Champaign.

Em agosto de 2011, Christian chegou aos Estados Unidos como pesquisador da UIUC, alocado em duas equipes: Instituto Jorge Paulo Lemann para Estudos Brasileiros – liderado pelo Prof. Werner Baer, além do REAL – Regional Economics Application Laboratory, sob comando de Geoffrey Hewings. Seus dois orientadores eram referências internacionais. Baer foi orientador de líderes latinos como Alexandre Tombini (Presidente do Banco Central do Brasil) e Rafael Correa (Presidente do Equador), além de ser o maior especialista americano em Economia Latino-Americana e consultor de diversos governos americanos nos últimos 50 anos. Geoffrey Hewings é consultor da gestão Obama, uma das maiores autoridades mundiais em Economia Regional e torcedor fanático do clube galês de futebol Cardiff City FC.

Sua tese de Doutorado, intitulada “Desenvolvimento Sistêmico, Equidade e Interdependência: A Busca por um Modelo Conceitual de Gestão do Equilíbrio das Relações entre Agentes Econômicos Regionais”, seria a evolução de seu trabalho como pesquisador, o qual abordaremos adiante. O modelo de análise de redes econômicas desenvolvido no período de seis meses nos Estados Unidos já foi apresentado em alguns eventos internacionais e nacionais, e foi o resultado de estudos empreendidos em Illinois e na Califórnia, no Vale do Silício, onde teve como base para a pesquisa de campo as Universidades de Berkeley e Stanford.

Apesar das propostas para continuidade das pesquisas na UIUC e uma oportunidade de emprego ofertada pelo presidente da Thyssenkrupp de Danvile, Illinois, construir uma vida longe do filho Thomas não estavam nos planos de Christian. De volta ao Brasil com a tese pronta, em janeiro de 2012, foi convidado para ser consultor sênior de Gestão por Processos da Elo Group, em São Paulo, pela qual desenvolveu projetos frente à BM&F-Bovespa e à Seguros Unimed. O trabalho como consultor sênior atrasou um pouco a defesa da tese, concluída anteriormente, tendo finalmente o fechamento do Doutorado em outubro de 2012, mesmo mês em que foi convidado para ir à Espanha apresentar dois trabalhos para o Laboratório Europeu de Economia Regional.

Em dezembro de 2012, Christian foi convidado a voltar para Ribeirão Preto e fundar, sob capital de um grupo de investidores locais do segmento de educação, a T4 Corp, holding que oferece serviços de gestão integrada a outras empresas, desde a consultoria em Gestão por Processos até desenvolvimento de sistemas automatizados de gestão, passando pelo atual carro-chefe da organização, a gestão do conhecimento e administração de arquivos físicos e digitais. Ao mesmo tempo, fundou a Corpyx, empresa de coaching e treinamento corporativo. Entre abril de 2013 até a data atual, a T4 Corp já teve clientes como Itaú, Grupo SEB, São Francisco Saúde, Unimed, entre outros. Além de fundador, Christian exerçe desde o início a função de Chefe de Operações (COO) da empresa, controlando as demais empresas do portfólio de serviços.

Além da prática de gestão, desde janeiro de 2013 é professor do UniSEB nos cursos de Engenharia de Produção, Administração e Gestão de Tecnologia da Informação, das disciplinas de Evolução do Pensamento Administrativo, Design Organizacional e Gestão por Processos, Empreendedorismo, Inovação e Novos Negócios. Além da graduação no UniSEB, Christian é professor de pós-graduação do Pós-Adm da FGV na cadeira de Estratégia, do Mestrado Profissionalizante de Administração da UniFAFIBE, na cadeira de Gestão Organizacional e desenvolve pesquisas em três grupos, o CORS/USP – pelo qual foi co-autor de um livro em 2014, o Grupo de Sistemas da FEARP-USP e o REAL da Universidade de Illinois.

Pesquisa Científica

Durante a graduação em Ciências Econômicas pela Unicamp, interrompida no último semestre, Christian iniciou uma pesquisa sob comando do Prof. Jorge Ruben Bitton Tapia, já falecido, com foco em história econômica. Sua principal inquietude era sobre como o desenvolvimento tecnológico tende a ser impulsionado pela política e, em contrapartida, desempenhar o papel de modificador voraz da estrutura econômica vigente. O tema do trabalho enfocava a Corrida Espacial na época da Guerra Fria, e tentava retratar os avanços econômicos na esfera privada a partir de tecnologias desenvolvidas sob conselho militar e estatal.

Ao cursar a segunda graduação, a partir de 2004, Christian recuperou o conhecimento adquirido na Unicamp, desenvolvendo então, sob o teto da USP, uma pesquisa que enfocava a relação de ligação entre sistema econômico e o aparato tecnológico, especialmente relatando as mudanças sociais a partir do surgimento da tecnologia da informação, e vice-versa. O trabalho foi apresentado já em 2006 no II Encontro da Ulepicc, e foi o tema de seu TCC, com o título “Capitalismo Informacional : Reflexões Sobre a (Re)Produção do Conhecimento e a Sistêmica Econômico-Social Contemporânea”.

Ainda na graduação, por conta da pesquisa em desenvolvimento, foi convidado para prestar o processo seletivo de mestrado em Administração de Organizações da FEARP na USP onde, uma vez aprovado, passou a estudar diferentes formas de arranjos produtivos de tecnologia da informação, o que originou a dissertação “Desenvolvimento Sistêmico de Pólos Regionais de Tecnologia da Informação: Análise Comparativa entre Modelos de Clusters Nacionais e Internacionais sob a Perspectiva da Teoria dos Sistemas”, defendida no início de 2010.

A pesquisa de Mestrado enfocou a análise de quatro clusters de tecnologia da informação, avaliando os elementos que propiciavam o êxito de suas operações e as barreiras para seu desenvolvimento. Os focos do estudo foram os clusters do Vale de Santa Clara (Vale do Silício), Bangalore, Campinas e São Carlos. A principal diferença observada entre os clusters foi em relação à cultura regional dos casos internacionais, nitidamente ancoradas no modelo americano de empreendedorismo, com menor aversão ao risco.

A análise de redes em clusters de tecnologia iniciada superficialmente no Mestrado levou a indagações sobre a possibilidade de estabelecer um modelo de análise de relações econômicas que classificasse a situação de um determinado arranjo produtivo a partir da “Social Network Analysis”. Uma vez aprovado no processo seletivo do doutorado, Christian passou a desenvolver a tese “Desenvolvimento Sistêmico, Equidade e Interdependência: A Busca por um Modelo Conceitual de Gestão do Equilíbrio das Relações entre Agentes Econômicos Regionais”. Após a compleição dos créditos de disciplinas, foi convidado pelo economista americano Werner Baer a terminar a pesquisa na Universidade de Illinois, através de um “período sanduíche” ou estágio de doutoramento como visiting scholar.

Em Illinois, trabalhou frente ao Instituto Jorge Paulo Lemann de Estudos Brasileiros, tendo o Dr. Baer como co-orientador; e no Regional Economics Application Laboratory, sob tutela do co-orientador Geoffrey Hewings. Foi no REAL que Christian pode realizar a maior parte da pesquisa teórica que o levou a campo para aplicar o modelo desenvolvido ao longo do doutorado, baseado em SNA e Teoria dos Jogos. O objeto de estudo foi o Vale do Silício, onde aplicou questionários em seis das principais empresas americanas de Tecnologia da Informação, temporariamente alocado nas Universidades de Berkeley e Stanford. Os cinco meses de intensa pesquisa nos Estados Unidos propiciaram o retorno ao Brasil com a tese pronta, mas essa somente seria defendida em outubro de 2012, por conta das atribuições profissionais assumidas desde a volta. Em fevereiro de 2012 Christian se distanciou da docência e pesquisa por alguns meses para desenvolver projetos frente à BM&F-Bovespa e Seguros Unimed como consultor sênior da Elo Group.

Defendido o doutorado, foi convidado para apresentar o novo modelo de redes multidimensionais baseado em SNA e Teoria dos Jogos em eventos importantes na Europa e Estados Unidos, mas por conta de compromissos de trabalho somente pode fazê-lo no Congresso do Laboratório Europeu de Economia Regional em 2012, na Espanha. Apesar de confirmado como palestrante no evento do Laboratório Europeu de 2013 no Reino Unido, não pode viajar por outros compromissos profissionais.

Hoje, Christian atua como pesquisador efetivo do Center of Organizational Studies da FEA-USP, do Grupo de Sistemas da FEARP-USP e do Regional Economics Application Laboratory da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign, pelo qual participa periodicamente de conversações e congressos sobre economia de redes e desenvolvimento regional.

A T4 Corp

Christian retornou a Ribeirão em dezembro de 2012 para fundar a T4 Corp, empresa da família Zaher, que tem como presidente a Diretora Executiva do grupo SEB, Thamila Zaher. A missão de Thamila para Christian foi bastante simples: criar uma empresa jovem e inovadora de guarda documental, que estivesse alinhada com o momento atual da economia brasileira. Empreendedora desde o berço, Thamila acreditava que seria possível crescer no setor de documentação com uso de boas práticas de BPM e governança focada em qualidade e gestão de custos.

A T4 surgiu em um período de transformação econômica para o Brasil. Após longos anos de bonança, a economia retornava a um patamar de estagnação que forçava as organizações ao corte de custos. Mesmo com o cenário macroeconômico instável, a empresa decolou e conseguiu se tornar a mais completa empresa de documentação de Ribeirão Preto e região, com duas unidades documentais que estão entre as mais modernas do país.

A T4 conta em seu quadro com alguns egressos do Curso de Ciência da Informação e Documentação da USP Ribeirão, tais como Raphael Valente (formado em 2008) e Franciele Pereira (formada em 2014), e outros egressos já passaram por lá, como o Marlon Francis (formado em 2014). Christian acredita que até 2020 a T4 seja uma das 8 maiores empresas de documentação do país, pretensão declarada no movimento de expansão iniciado para a capital paulista e outros estados brasileiros como Rio de Janeiro e Goiás. A T4 tenta romper um tradeoff até então considerado intransponível: alinhar qualidade e baixo custo em um mesmo conjunto de soluções para gestão documental. Esse tem sido o desafio de Christian, e o objetivo da T4.

Photo Integração T4 - Com Logo

Integracão T4 Corp

Entrevista feita por Ana Santana, em 20/06/2015.

Anúncios