João Guilherme…. Empreendedorismo e inovação: trajetórias e a Escola de Inventor

Origens…

Tenho 32 anos, sou natural de Araçatuba-SP e moro em Ribeirão Preto há 21 anos. Em 2004 iniciei o curso de Administração de Empresas e Agronegócios pela Unesp (Universidade Estadual Paulista), mas foi na USP (Universidade de São Paulo) em Ribeirão que encontrei o que seria a minha vocação ao cursar  o CID (Biblioteconomia e Ciências da Informação e da Documentação) e perceber o potencial existente na mediação de cultura tecnológica  via projetos baseados em educação ativa para crianças, jovens e adultos.

JG.jpg

 

Trajetória Profissional e Acadêmica

Iniciei minha carreira no setor financeiro, prestando serviços para bancos de Midle Market como BV Financeira e Bango GE, com foco em financiamento de veículos e crédito consignado. Em 2011 decidi mudar minha carreira de rumo, visando trabalhar com as áreas de tecnologia e inovação, que me despertavam maior interesse. O primeiro passo foi me atualizar academicamente, e para isso entrei no CID e passei a estudar o mundo das startups e da  gestão da propriedade intelectual dentro da academia por conta própria, o que me levou a enveredar peloa caminhos percorridos pela inovação no Brasil e no mundo.

Em 2014 passei a trabalhar com  o Dr. Nelson Marineli Filho na condução de projetos de inovação setoriais FINEP para grandes empresas da região.

Atualmente sou analista de inovação da empresa WTA (www.wtavet.com.br), onde coordeno projetos junto a FAPESP/PIPE e ao CEPID/Hemocentro de Ribeirão Preto na área de células-tronco, além de trabalhar em projetos de internet das coisas voltada a pecuária de precisão junto ao CESAR (www.cesar.org.br).

Sou um dos fundadores e diretor da Escola de Inventor (www.escoladeinventor.com.br) uma escola de inovação focada no desenvolvimento de métodos ativos de aprendizagem para o ensino de ciência, tecnologia, engenharia e matemática para crianças, jovens e adultos.

Obs do Blog: A Escola de Inventor foi tida como uma das 20 startups mais atraentes do mercado!!!

Veja em: http://escoladeinventor.com.br/escola-de-inventor-eleita-uma-das-20-melhores-startups-mais-atraentes-para-o-mercado/

Pesquisa Científica…

Meu primeiro projeto na área, foi realizado sob a orientação do Prof. Dr. André Lucirton Costa da FEARP/USP, tendo sido apoiado pela Agência USP de Inovação através de sua Bolsa Empreendedorismo. A bolsa possibilitou minha mudança para Portugal, onde realizei pesquisas na Universidade Nova de Lisboa, durante sete meses, sobre os motivos do baixo índice de inovação das academias brasileiras. O foco era descobrir o porquê de, apesar do aumento recente no número de publicações de artigos nacionais em revistas científicas de impacto por parte da academia, poucas dessas pesquisas chegam ao mercado sob a forma de produtos, processos ou serviços. Durante o estudo, descobri que a causa principal do problema não se encontrava na academia ou na indústria, como esperávamos, mas, sim, no processo de educação básica das crianças. Ao longo do ensino fundamental, perde-se o interesse em matérias ligadas a ciência e matemática, o que é refletido mais tarde nos ciclos de educação universitária e posteriormente, no mercado e na indústria.

 Por que escolheu o curso?

Por perceber que o curso me daria o know-how necessário à busca de pesquisas e artigos científicos do chamado “estado da arte” das áreas de meu interesse, fator essencial para a construção, desenvolvimento, implementação e entrega de projetos de inovação.

Quais foram alguns desafios e vantagens que você enfrentou no começo, meio e fim do curso?

O principal desafio enfrentado foi entender como a base de conhecimento oferecida pelo curso poderia se alinhar e ajudar no desenvolvimento das minhas competências e habilidades. A principal vantagem percebida por mim ao fazer o curso, foi a amplitude de visão de mundo gerada por meio do vasto conhecimento cultural, técnico e acadêmico apresentado pelos professores do CID.

 Quais são algumas dicas que você daria para os alunos que estão entrando no curso?

Na minha opinião, acredito que a melhor dica a ser dada é que o conhecimento não deve se restringir ao positivismo muitas vezes imposto pela academia. Além disso, os gostos e interesses pessoais devem servir de motores para o engrandecimento das informações passadas em sala de aula, fazendo com que a curiosidade e a troca de ideias dialética sirvam de pontes para a construção de um conhecimento mais bem estruturado e de impacto econômico e social.

O que você fez depois de ter se formado?

Estou no último semestre do curso, mas pretendo seguir trabalhando com educação e projetos na área de inovação.

Como estão servindo os conceitos e a experiência que você teve durante a graduação atualmente?

Ele é a base do que eu e meus colegas de CID estamos construindo na Escola de Inventor. Nosso sonho é que as bibliotecas brasileiras passem a adotar o modelo de espaços maker e centros de aprendizagem ativa (e não só de estudo e leitura silenciosa), como já vem ocorrendo em países mais desenvolvidos, notadamente nos EUA e na Europa.

O que você pretende para o futuro?

Transformar a  Escola de Inventor em uma referência no desenvolvimento de métodos ativos de aprendizagem e transportar esse conhecimento para as redes públicas de ensino, Brasil afora.

Anúncios

Rosângela Galdino… Trajetória e experiências: da biblioteca escolar para o IFSP

Nasci na pequena e pacata cidade de Tambaú, localizada a 115 km de Ribeirão Preto e famosa pelo Padre Donizetti, o “padre milagroso” que até hoje atrai milhares de fiéis ao município.

Sempre amei matemática, mas quando fui escolher um curso para o vestibular, preferi a área de humanas. Optei pelo CID após ler o manual, achar atraente a sua multidisciplinaridade e localização (Ribeirão Preto), além de ser curso recém-criado na época, com muitos atrativos e pouca concorrência.

Iniciei o curso em 2005, com grandes expectativas e como muitos jovens, totalmente perdida ao morar longe da família. Essa foi uma época de novas descobertas e amadurecimento. O curso ainda passava por contratações de professores, mudanças na grade disciplinar, mas havia grande interação entre a maioria dos alunos de todas as turmas e inclusive com a Pedagogia, já que tínhamos aulas no mesmo prédio.

Naquela época não havia tantas bolsas na USP, então a disputa era alta pelas que existiam. Passei o primeiro ano me dedicando apenas às disciplinas. No segundo, juntamente com outros colegas e com orientação da Profa. Lucília, participei como voluntária na organização da biblioteca que atendia ao assentamento Mário Lago do MST, minha primeira experiência na área. Posteriormente, fiz estágio no Museu Histórico da FMRP com orientação da Profa. Sílvia por um ano e monitoria na pró-aluno da FFCLRP por dois anos.

Acredito que minha turma tenha sido a primeira do CID em que a maior parte dos alunos não tinha outra atividade além de estudar, portanto, nos envolvíamos mais em atividades extraclasses e movimentos estudantis. Participei da bateria da Filô, CECID, CAFi, Atlética, fui representante discente na COC CID, fiz aulas no CEFER, além de ir aos Encontros de Estudantes de Biblioteconomia e de fazer vários cursos oferecidos pelo câmpus da USP de Ribeirão Preto.

galdino-blogAs disciplinas técnicas do nosso curso e as disciplinas que eram oferecidas para o CID por professores de outros cursos (ênfase) foram as que exigiram maior dedicação durante a minha graduação. Os conhecimentos que adquiri durante o curso, juntamente com as experiências adquiridas dessa vivência universitária, guiaram-me em minha vida profissional e acadêmica.

Durante a graduação sempre tive grande admiração pela Profa. Giulia e isso me levou a ser sua orientanda. Apaixonada por cinema, optei por pesquisar sobre os cineteatros e cinemas de Ribeirão Preto (equipamentos culturais da modernidade). A oportunidade de pesquisar algo de que realmente gostava tornou a atividade ainda mais prazerosa. O trabalho foi solicitado por alguns pesquisadores nos últimos anos, inclusive por um funcionário do MIS de Ribeirão Preto.

Após a apresentação do TCC e com a formatura é que veio a dúvida: o que fazer agora? Nos primeiros meses fiz algumas entrevistas e consegui uma vaga na UNIP de São José do Rio Pardo. Não foi muito fácil no início, não estava preparada para as dificuldades em lidar com a chefia e a equipe da biblioteca. Infelizmente, não é sempre que somos bem recebidos nesses locais, ainda há preconceitos ou desconhecimento quanto à profissão. Nos primeiros meses foi um grande desafio desenvolver as atividades rotineiras da função de bibliotecário, mas com o apoio da coordenadora de bibliotecas e de alguns colegas bibliotecários de outras unidades, fui adquirindo conhecimentos, me tornei mais confiante no trabalho e isso simplificou/ facilitou minha vida no trabalho.

Em 2010 comecei a participar de processos seletivos para concursos públicos, mas apesar de me classificar, não fui nomeada e em 2012 decidi participar do processo seletivo do SESI-SP. Alguns amigos já trabalhavam e me incentivaram. Passei e optei pela unidade de Santa Bárbara d’Oeste.

A biblioteca estava fechada havia alguns anos e cheguei com a missão de “fazer funcionar”. O SESI possuía alguns procedimentos que deveriam ser desenvolvidos em todas as bibliotecas, o empréstimo de livros era intercalado com atividades de incentivo à leitura ou que complementassem os assuntos trabalhados em sala de aula (solicitadas pelos professores). O principal desafio foi descobrir quais atividades realizar com as crianças e como realizar parcerias com os professores.

Conversei com colegas das outras escolas da rede para saber o que faziam, como envolviam os professores nas atividades e foi muito proveitosa essa troca de experiências, pois me ajudaram com ideias para realizar atividades de incentivo à leitura, entre outras. Os primeiros seis meses foram mais difíceis, pois foi preciso incutir o hábito de ir à biblioteca não só nos alunos, mas na maioria dos professores.

Felizmente deu certo. O trabalho de parceria funcionou, os professores solicitavam o tema que queriam que fosse trabalhado nas atividades da semana e eu desenvolvia (pequenos vídeos, palavras-cruzadas, caça-palavras, pequenos textos, jogos, etc.). A biblioteca não ficava mais vazia e era realmente prazeroso ver o desenvolvimento e aprendizagem dos alunos.

Adorava trabalhar no SESI, tanto que quando fui nomeada no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) fiquei em dúvida se deveria aceitar. No entanto, considerando não apenas o salário, mas os benefícios, como incentivo à qualificação, possibilidade de afastamento para fazer a pós-graduação, jornada flexibilizada (trabalhar 6 horas diariamente), entre outros, havia ainda a estabilidade do serviço público.

Estou no IFSP Câmpus Capivari desde 2014. Assumi a vaga juntamente com outra bibliotecária e mais duas auxiliares de biblioteca. O acervo não havia passado pelo processamento técnico, os empréstimos eram realizados pelo ISBN e a organização nas estantes era por assunto, mas pelos critérios que apenas uma pessoa entendia (quem havia organizado).

As bibliotecas do IFSP ainda passam por várias mudanças, pois transformaram-se em rede no ano de 2014/2015. Atualmente o IFSP utiliza o sistema Pergamum para gerenciar o acervo de sua rede de bibliotecas. Já foram implementados alguns documentos (regulamento, política de desenvolvimento de coleções, catalogação, entre outros) que visam melhorar e unificar os procedimentos que são realizados por todos os bibliotecários que compõe a rede. Esse avanço deu-se, principalmente, pelo trabalho realizado pela coordenadora de bibliotecas que atua na reitoria.

Já trabalhei em biblioteca universitária, escolar e atualmente atuo em uma biblioteca mista, já que atende o ensino médio-técnico, graduação e pós-graduação, além da comunidade em geral. Todas contribuíram para meu crescimento e amadurecimento profissional, sou grata pela minha jornada trilhada até o momento. Estou satisfeita com o trabalho e no próximo ano começarei a trabalhar no IFSP Câmpus Piracicaba (outra vantagem do IFSP é a possibilidade de remoção entre os câmpus do Estado de São Paulo). Pretendo ainda dar continuidade à vida acadêmica com a pós-graduação.

Acredito que o perfil dos alunos que entram no curso mudou, mas independente disso, eu diria: aproveitem! Aproveitem as aulas, a disposição dos professores em ensinar, os estágios, os eventos na área, enfim, aproveitem tudo o que a USP oferece. Se o interesse é por disciplinas da área de administração, façam disciplinas na FEA, corram atrás, façam acontecer…

Rosângela Galdino… Trajetória e experiências: da biblioteca escolar para o IFSP

Nasci na pequena e pacata cidade de Tambaú, localizada a 115 km de Ribeirão Preto e famosa pelo Padre Donizetti, o “padre milagroso” que até hoje atrai milhares de fiéis ao município.

Sempre amei matemática, mas quando fui escolher um curso para o vestibular, preferi a área de humanas. Optei pelo CID (Biblioteconomia e Ciências da Informação e da Documentação, na época o nome era Ciências da Informação e da Documentação) após ler o manual, achar atraente a sua multidisciplinaridade e localização (Ribeirão Preto), além de ser curso recém-criado na época, com muitos atrativos e pouca concorrência.

Galdino-Blog.JPG

Iniciei o curso em 2005, com grandes expectativas e como muitos jovens, totalmente perdida ao morar longe da família. Essa foi uma época de novas descobertas e amadurecimento. O curso ainda passava por contratações de professores, mudanças na grade disciplinar, mas havia grande interação entre a maioria dos alunos de todas as turmas e inclusive com a Pedagogia, já que tínhamos aulas no mesmo prédio.

Naquela época não havia tantas bolsas na USP, então a disputa era alta pelas que existiam. Passei o primeiro ano me dedicando apenas às disciplinas. No segundo, juntamente com outros colegas e com orientação da Profa. Lucília, participei como voluntária na organização da biblioteca que atendia ao assentamento Mário Lago do MST, minha primeira experiência na área. Posteriormente, fiz estágio no Museu Histórico da FMRP com orientação da Profa. Sílvia por um ano e monitoria na pró-aluno da FFCLRP por dois anos.

Acredito que minha turma tenha sido a primeira do CID em que a maior parte dos alunos não tinha outra atividade além de estudar, portanto, nos envolvíamos mais em atividades extraclasses e movimentos estudantis. Participei da bateria da Filô, CECID, CAFi, Atlética, fui representante discente na COC CID, fiz aulas no CEFER, além de ir aos Encontros de Estudantes de Biblioteconomia e de fazer vários cursos oferecidos pelo câmpus da USP de Ribeirão Preto.

As disciplinas técnicas do nosso curso e as disciplinas que eram oferecidas para o CID por professores de outros cursos (ênfase) foram as que exigiram maior dedicação durante a minha graduação. Os conhecimentos que adquiri durante o curso, juntamente com as experiências adquiridas dessa vivência universitária, guiaram-me em minha vida profissional e acadêmica.

Durante a graduação sempre tive grande admiração pela Profa. Giulia e isso me levou a ser sua orientanda. Apaixonada por cinema, optei por pesquisar sobre os cineteatros e cinemas de Ribeirão Preto (equipamentos culturais da modernidade). A oportunidade de pesquisar algo de que realmente gostava tornou a atividade ainda mais prazerosa. O trabalho foi solicitado por alguns pesquisadores nos últimos anos, inclusive por um funcionário do MIS de Ribeirão Preto.

Após a apresentação do TCC e com a formatura é que veio a dúvida: o que fazer agora? Nos primeiros meses fiz algumas entrevistas e consegui uma vaga na UNIP de São José do Rio Pardo. Não foi muito fácil no início, não estava preparada para as dificuldades em lidar com a chefia e a equipe da biblioteca. Infelizmente, não é sempre que somos bem recebidos nesses locais, ainda há preconceitos ou desconhecimento quanto à profissão. Nos primeiros meses foi um grande desafio desenvolver as atividades rotineiras da função de bibliotecário, mas com o apoio da coordenadora de bibliotecas e de alguns colegas bibliotecários de outras unidades, fui adquirindo conhecimentos, me tornei mais confiante no trabalho e isso simplificou/ facilitou minha vida no trabalho.

Em 2010 comecei a participar de processos seletivos para concursos públicos, mas apesar de me classificar, não fui nomeada e em 2012 decidi participar do processo seletivo do SESI-SP. Alguns amigos já trabalhavam e me incentivaram. Passei e optei pela unidade de Santa Bárbara d’Oeste.

A biblioteca estava fechada havia alguns anos e cheguei com a missão de “fazer funcionar”. O SESI possuía alguns procedimentos que deveriam ser desenvolvidos em todas as bibliotecas, o empréstimo de livros era intercalado com atividades de incentivo à leitura ou que complementassem os assuntos trabalhados em sala de aula (solicitadas pelos professores). O principal desafio foi descobrir quais atividades realizar com as crianças e como realizar parcerias com os professores.

Conversei com colegas das outras escolas da rede para saber o que faziam, como envolviam os professores nas atividades e foi muito proveitosa essa troca de experiências, pois me ajudaram com ideias para realizar atividades de incentivo à leitura, entre outras. Os primeiros seis meses foram mais difíceis, pois foi preciso incutir o hábito de ir à biblioteca não só nos alunos, mas na maioria dos professores.

Felizmente deu certo. O trabalho de parceria funcionou, os professores solicitavam o tema que queriam que fosse trabalhado nas atividades da semana e eu desenvolvia (pequenos vídeos, palavras-cruzadas, caça-palavras, pequenos textos, jogos, etc.). A biblioteca não ficava mais vazia e era realmente prazeroso ver o desenvolvimento e aprendizagem dos alunos.

Adorava trabalhar no SESI, tanto que quando fui nomeada no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) fiquei em dúvida se deveria aceitar. No entanto, considerando não apenas o salário, mas os benefícios, como incentivo à qualificação, possibilidade de afastamento para fazer a pós-graduação, jornada flexibilizada (trabalhar 6 horas diariamente), entre outros, havia ainda a estabilidade do serviço público.

Estou no IFSP Câmpus Capivari desde 2014. Assumi a vaga juntamente com outra bibliotecária e mais duas auxiliares de biblioteca. O acervo não havia passado pelo processamento técnico, os empréstimos eram realizados pelo ISBN e a organização nas estantes era por assunto, mas pelos critérios que apenas uma pessoa entendia (quem havia organizado).

As bibliotecas do IFSP ainda passam por várias mudanças, pois transformaram-se em rede no ano de 2014/2015. Atualmente o IFSP utiliza o sistema Pergamum para gerenciar o acervo de sua rede de bibliotecas. Já foram implementados alguns documentos (regulamento, política de desenvolvimento de coleções, catalogação, entre outros) que visam melhorar e unificar os procedimentos que são realizados por todos os bibliotecários que compõe a rede. Esse avanço deu-se, principalmente, pelo trabalho realizado pela coordenadora de bibliotecas que atua na reitoria.

Já trabalhei em biblioteca universitária, escolar e atualmente atuo em uma biblioteca mista, já que atende o ensino médio-técnico, graduação e pós-graduação, além da comunidade em geral. Todas contribuíram para meu crescimento e amadurecimento profissional, sou grata pela minha jornada trilhada até o momento. Estou satisfeita com o trabalho e no próximo ano começarei a trabalhar no IFSP Câmpus Piracicaba (outra vantagem do IFSP é a possibilidade de remoção entre os câmpus do Estado de São Paulo). Pretendo ainda dar continuidade à vida acadêmica com a pós-graduação.

Acredito que o perfil dos alunos que entram no curso mudou, mas independente disso, eu diria: aproveitem! Aproveitem as aulas, a disposição dos professores em ensinar, os estágios, os eventos na área, enfim, aproveitem tudo o que a USP oferece. Se o interesse é por disciplinas da área de administração, façam disciplinas na FEA, corram atrás, façam acontecer…

Iandra Fernandes…sua paixão por conservação do acervo, os desafios que teve para obter informação para o seu TCC e sua carreira como bibliotecária.

Iandra Fernandes, Bacharel em Ciência da Informação e Documentação – USP/Ribeirão Preto. Bacharel em Comercio Exterior – Universidade Paulista.

iandra foto

Meu nome é Iandra Fernandes, sou graduada em Comercio Exterior pela Universidade Paulista e em Biblioteconomia, Ciências da Informação e da Documentação pela Universidade de São Paulo campus de Ribeirão Preto, e vou dividir com vocês um pouquinho da minha trajetória durante a graduação no CID.

Desde muito pequena sempre me interessei por livros, mas os que mais me chamavam a atenção eram os livros antigos, sempre achei fabuloso o trabalho de restauradores, os trabalhos minuciosos me encantavam, para mim, a preservação da informação, a preservação da história do livro, o cuidado com o papel era fantástico. Por essa razão decidi fazer a faculdade de biblioteconomia, que seria a oportunidade de unir a paixão que tinha por livros e a vontade de conserva-los. Porém, para a minha surpresa, ao ingressar, descobri que o curso não oferecia nenhuma matéria, nem obrigatória e nem optativa, que abordasse o tema “preservação e conservação”, e isso foi muito frustrante, pois entrei na graduação já sabendo o que queria escrever em meu TCC, que a princípio seria sobre as bibliotecas monásticas e seus livros raros, especificamente sobre a biblioteca do Mosteiro de São Bento de São Paulo, que abriga uma das maiores coleções de livros raros. Foi aí que a Profa. Dra. Márcia Regina da Silva, minha orientadora, sugeriu que adaptássemos meu trabalho, por não haver um professor especialista em conservação para orientar, então, optei em abordar o tema: “preservação e conservação de acervos: formação e atuação do bibliotecário”.

Então, paralelo com a faculdade, fui buscar cursos especializados no assunto, palestras, simpósios, congressos, fazer visitas in loco em lugares que haviam laboratórios de conservação, conversei com pessoas da área e tudo que pudesse me agregar conhecimento, por acreditar que não deveria esperar somente da faculdade, já que queria conhecimento sobre o assunto, deveria buscar além das aulas, então, durante as férias viajava para São Paulo, já que em Ribeirão Preto não havia nada do tipo. Reuni todas as informações possíveis e iniciei junto ao meu TCC a iniciação cientifica no assunto. Durante uma pesquisa que fiz na FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo), única faculdade na época, que oferecia a matéria de conservação e preservação como obrigatória, fui convidada a dar uma entrevista ao blog da intuição, dizendo sobre a importância de gerenciar o acervo com cuidado e a importância do bibliotecário para identificar algum tipo de problema.

Outro fato que me ajudou muito, foi que no mesmo período comecei a trabalhar na biblioteca da faculdade Barão de Mauá, em Ribeirão Preto, como assistente de biblioteca, e algumas coisas que aprendia durante os cursos que participava, tentava aplicar no dia a dia, mas também encontrei barreiras para isso, visto que a bibliotecária da época ainda usava métodos bem rústicos e inadequados e não aceitava mudanças.

Assim segui a graduação, finalizei a iniciação cientifica e em 2013 apresentei o TCC, fui aprovada e para a minha surpresa, me senti honrada ao ouvir de um professor que meu trabalho não era um simples trabalho e sim um material que serviria de referência para os próximos alunos do curso, já que até então, ninguém havia escrito algo semelhante, ouvir isso de um professor foi muito gratificante e me serviu de estimulo para continuar.

Após a conclusão do curso, fui promovida em meu trabalho como bibliotecária gerente de todas as bibliotecas da Barão de Mauá e aí então, pude aplicar todas as técnicas e conhecimentos adquiridos durante a graduação. Treinei alguns colaboradores para a realização de pequenos reparos e formas de higienização do acervo e procuro sempre estar atualizada em novas técnicas que surgem.

Em outubro de 2014 me candidatei a apresentar um banner no II simpósio ABER|SENAI|MASP de inovação, desenvolvimento e tecnologia na preservação de acervos, fiquei imensamente feliz por me convidarem a participar como palestrante, onde pude falar sobre o meu trabalho para diversas pessoas da área, recebi muitos elogios dizendo que todos bibliotecários deveriam ter a mesma preocupação com a conservação do acervo.

Hoje, continuo atuando como bibliotecária na Universidade Barão de Mauá e sempre recebo convites para aplicar minicursos aos alunos do CID sobre preservação e conservação, participei também em 2015 da Semana de Estudos em Ciências da Informação e Documentação como palestrante. Nesse mesmo ano fui convidada, pelos alunos do curso de administração da Barão de Mauá, a ministrar uma palestra na XIV Semana de Administração, onde abordei o tema: “Desenvolvendo a liderança nas organizações”, relatei sobre minhas experiências profissionais e como lidero minha equipe na biblioteca.

Para o futuro pretendo fazer mestrado nessa mesma linha de pesquisa, e também uma especialização em restauro para me aprofundar cada vez mais nesse assunto.

Mônica Barbosa…primeira turma do CID e coordenação do CEDOC audiovisual da EPTV.

Mônica Barbosa, Bacharel em Administração –  Centro Universitário Moura Lacerda. Bacharel em Biblioteconomia e Ciências da Informação e da Documentação – USP/Ribeirão Preto.

DSCF6729

Essa é a trajetória da Mônica, que ao longo de sua graduação trabalhou tempo integral na EPTV. Ela fez parte da primeira turma do curso, sendo essa sua segunda formação acadêmica. Através de algumas perguntas vamos descobrir como ela escolheu o curso, algumas dicas que ela tem para os alunos do curso e as mudanças que teve profissionalmente antes e depois do curso…vamos lá:

1. Por que escolheu o curso?

Na ocasião, já trabalhava num Centro de Documentação e queria aprimorar meus conhecimentos na área, quando soube, em 2002, da vinda do curso de nomeado Bacharelado em Ciências da Informação e da Documentação (hoje Biblioteconomia e Ciências da Informação e da Documentação) não tive dúvidas de que queria fazê-lo, apesar de já possuir uma formação acadêmica, sou formada desde 1993 em Administração pelo “Centro Universitário Moura Lacerda”.  Lembro-me, que na época em que decidi fazer o CID, meu maior desafio foi pensar em enfrentar um novo vestibular, já se havia passado muito tempo da minha conclusão no ensino médio. Mas, deu certo, em grande parte porque sempre gostei muito de ler e tive algumas aulas de Literatura com a professora Sylvia Bomfim de Brito Bastos a quem sou grata e isso me ajudou muito na hora do vestibular e, sinceramente, eu estava muito determinada a ingressar no curso.

2. Quais foram alguns desafios e vantagens que você enfrentou no começo, meio e fim do curso?

Eu tive uma vantagem, já não era minha primeira formação acadêmica, mas eu estava realizando um sonho: fazer um curso numa universidade pública, então estava encantada com tudo, mesmo porque eu tinha um comparativo importante: uma formação interior num curso de universidade particular, por isso valorizava tudo, era inacreditável ter uma gama de professores entusiasmados e engajados, com indicação de textos e fontes preciosos, ainda por cima de graça…pessoalmente o maior desafio era conciliar o curso com meu trabalho, que era em período integral e consumia grande parte de minha energia, sendo que eu já estava bastante envolvida com vários projetos, mas aprendi a tentar ser uma esponja para conseguir absorver tudo o que me era apresentado em sala de aula e usar isso a meu favor. Aliando teoria com a experiência e vivência prática nas minhas atividades de trabalho ganhei muito com isso, mas não podemos esquecer que eu já estava com pouco mais de trinta anos e já atuava em um dos campos da área. No curso, foi difícil conciliar meu escasso tempo para conseguir acompanhar o ritmo das aulas, das leituras e trabalhos que precisávamos desenvolver, principalmente os seminários que realizávamos em grupo, era necessário conciliar agendas e chegar num consenso de abordagem do tema pelo grupo, o que nem sempre era uma tarefa simples e sem conflitos, mas, inclusive, esses seminários se tornaram uma grande fonte de aprendizado e troca de experiências.

Em relação ao curso, tínhamos a sensação de que algumas disciplinas estavam destoando do que imaginávamos ser importante para a formação do profissional da informação, era uma fase de (re) início para todos, tanto corpo docente como discente, havia a necessidade da busca por uma identidade e também aprimoramento da grade curricular que fosse mais específica para o CID e o novo profissional da Informação, que ia muito além do estereótipo do “bom e velho” Bibliotecário. Tivemos problemas também em relação a algumas metodologias de ensino com algumas disciplinas que poderiam ter sido melhor aproveitadas, veja bem, mesmo com tudo isso, era perceptível um esforço comum do corpo docente em resolver estas questões, acho que foi uma época muito inspirada e inspiradora, o primeiro curso, a primeira turma, isso para uma grande maioria de nós era bem empolgante, mas em alguns aspectos tinha também certa precariedade e nos faltavam alguns recursos, mas, principalmente algumas diretrizes básicas em relação a disciplinas mais especificas e técnicas da área.

A escolha do tema do trabalho de conclusão do curso também não foi nada fácil, mas fui muito feliz depois que consegui determinar e focar o tema e ter a Professora Doutora Giulia Crippa como minha orientadora, ela sempre foi uma fonte de inspiração para mim, assim como a professora Doutora Lucilia Maria Sousa Romão que também me foi de grande inspiração. Muitas vezes, sem saber, o grande mestre é aquele que consegue nos estimular a abrir nossa mente para coisas que antes nos passavam despercebidas, fazendo-nos enxergar e buscar reflexões em tudo que nos envolve e que somos envolvidos, isso amplifica nossa visão de mundo e abre muitas possibilidades.

 

3. Quais são algumas dicas que você daria para os alunos entrando no curso?

Olha, eu nem sei hoje qual é o perfil dos alunos que ingressam no curso, na minha época era uma maioria formada por pessoas que estavam em sua segunda graduação e, portanto, também mais velhos, eu vi muita gente tendo visões muito diferentes da mesma coisa, isso porque no fim somos únicos mesmo e pensamos de maneiras diferentes. O que quero dizer é, seja quem for: um jovem que está vivendo a experiência de seu primeiro curso superior, ou aquele que já tem uma estrada mais longa, faça tudo com entusiasmo, tente se livrar de estereótipos e (pre) conceitos em relação ao curso e aos professores, faça valer pra você e preferencialmente envolva o grupo nisso, tudo passa muito depressa, mas a maneira como encaramos cada oportunidade e aprendizado fará diferença no nosso caminho.  Porém, primeiro, você precisa, no mínimo, se identificar com algumas disciplinas do curso, pode ser que nem todas sejam o que você espera, mas isso normalmente é algo que acontece em qualquer curso ou mesmo na vida, para um objetivo maior algumas coisas menores fazem parte do percurso. Depois, você não será obrigado a trabalhar com aquilo que não se identifica, por exemplo, martirizam o curso por causa da questão da visão do Bibliotecário tradicional, vi muita gente dizendo eu não quero ser Bibliotecário, Deus me livre ficar dentro de uma biblioteca atendendo aluno chato, separando e guardando livros. Veja, essa é uma visão antiquada e preconceituosa da área, muitos gostam justamente desse campo de atuação, mas posso adiantar que ninguém será um bom profissional se o próprio conceito de Bibliotecário for esse, o que a sociedade precisa é de bons profissionais seja em qualquer área, quando se tornar um faça essa escolha porque gosta e mesmo assim precisa ter em mente que num país tão carente de leitores e de atividades culturais acessíveis é necessário profissionais que desenvolvam programas estimulantes, principalmente dentro das escolas públicas,  se você optar por se tornar um Bibliotecário, faça valer a pena, trabalhe de maneira criativa e motivadora. Esse curso pode ser uma porta de entrada, isso pode ou não te garantir uma carreira bem sucedida na saída, não existem garantias precisas, às vezes é preciso mudar de rumo, fazer especializações e porque não até mesmo uma nova formação complementar. Mas, coloque na sua cabeça, aprenda o mais que puder a cada passo, compreenda as partes básicas do processo que envolve a informação: desde sua produção, meios, fluxos, organização e recuperação, isso é fundamental! Se o curso não estiver oferecendo disciplinas ou atividades que lhe propiciem essa base, então é necessário cobrar e lutar por mudanças, com foco e de maneira organizada e pacifica.

Outras dicas que considero importantes: como contratante de profissionais da área, por muito tempo tivemos estagiários que passaram por aqui, depois transformamos essa vaga em efetiva; primeiro: percebi, algumas vezes, que o que pode se tornar um fator desfavorável ao profissional iniciante é o de ele ter uma visão equivocada da sua própria atuação/atividade. Isso tanto pode ser algo advindo do próprio docente, como, da forma como o curso é trabalhado, não sei como está a grade curricular do CID atualmente, na minha época faltavam algumas disciplinas fundamentais e melhoria de metodologia em algumas delas, que não ofereciam uma base mais prática do saber fazer, isso pode gerar muita frustração. Nesse caso, é preciso passar uma visão mais real do campo de atuação, já vi muita gente talentosa simplesmente ter uma expectativa equivocada de trabalho, nós podemos nos tornar gestores de informação e até mesmo produtores de conteúdos documentais ou culturais, mas, na grande maioria, os processos que envolvem trabalhar com documentação, independentemente da tipologia, passa por etapas que envolvem atividades de rotina, o que para muitos pode ser maçante. Então, antes de tudo, o profissional precisa saber que existe esse processo rotineiro, que prevê o domínio de linguagens documentais; segundo: precisamos ter a consciência da valorização desse processo, pois seja um documento histórico, jurídico, administrativo, acadêmico ou até mesmo objetos, físicos ou digitais/virtuais, é pelas nossas mãos que passam todo o cuidado de preservação, guarda, organização e recuperação de documentos únicos, que num primeiro momento possuem apenas valor de uso, mas podem se tornar preciosas fontes de preservação de uma memória institucional e/ou social.

Por fim, tudo também depende daquilo do que cada um considera o que é ter uma carreira bem sucedida. Logicamente precisamos ser reconhecidos e bem remunerados, inclusive está ai a importância de representarmos uma classe categorizada, mas se fizermos algo que além de uma remuneração adequada e justa, representa também aquilo que gostamos de fazer e de estarmos envolvidos, já vai ter valido a pena. E, por favor, se você estiver num caminho que esteja te trazendo só frustrações, desgosto e martírio, mude o rumo, muitas vezes e quase sempre, isso não tem nada haver com nossa formação acadêmica.

DSCF6730 - Cópia

4. O que você fez depois de ter se formado?

No meu caso, continuei na mesma área e mesma empresa em que trabalhava na época em que estava estudando, trabalho na EPTV – Empresa Paulista de Televisão, afiliada da Rede Globo em Ribeirão Preto, atuei também com produção e pesquisa de alguns especiais, desenvolvi trabalhos de incentivo a leitura e implantação de Bibliotecas como voluntária por oito anos pelo Instituto EPTV, que apoia Instituições que atendem crianças carentes no horário inverso a escola, Coordeno um projeto de Educação chamado “EPTV na Escola”, mas posso dizer que tive meu antes e depois de minha graduação no CID. Cresci bastante profissionalmente, acompanhei mudanças e participei de projetos importantes na minha área no CEDOC – Centro de Documentação (audiovisual) – desde 2013 ocupo o cargo de Supervisora do Departamento. Em Maio de 2015 começamos em Ribeirão a implantação de um sistema de digitalização e de um novo programa de gerenciamento de informações chamado “Media Portal”, estamos desenvolvendo a digitalização do nosso legado, já conseguimos, em pouco tempo, digitalizar os cinco primeiros anos (novembro/1980 a Dezembro/1986) do conteúdo Jornalístico das matérias que exibimos na EPTV Ribeirão e que agora estão em processo de revisão de indexação e decupagem. Esse acervo contém informações importantes, que se tornaram incomparáveis em caráter de conteúdo histórico que possui um precioso registro do desenvolvimento do nosso interior paulista.

DSCF6710 - Cópia

5. Como estão servindo os conceitos e a experiência que você teve durante a graduação atualmente?

Nossa área é multidisciplinar, uma das coisas interessantes que tomei para mim e se mostrou bem importante, foi aprender o mínimo de algumas disciplinas que não me identificava muito, como por exemplo, banco de dados e Informática, mas que eram relevantes para nossa área profissional seja em qualquer campo de atuação. Isso facilita, no mínimo, a viabilidade em participar de projetos em que precisamos saber dialogar com profissionais específicos de outras áreas para que haja uma troca de conhecimentos e desenvolvimento de um trabalho conjunto. Usei esse conhecimento, por exemplo, para acompanhar e aprimorar a implantação do novo sistema de arquivo digital no CEDOC. Foi bem enriquecedor e útil, e acima de tudo, o resultado final foi uma customização de um sistema que ficou bem melhor com a participação de todos. Todo aprendizado nas aulas teóricas, nas visitas técnicas e estágios, se tornaram importantes referências para mim, isso é fundamental para quem vai ingressar no mercado de trabalho.

6. O que você pretende para o futuro?

No sentido profissional é continuar desenvolvendo um trabalho sério de organização, preservação e recuperação de informação, dar um bom encaminhamento para o trabalho de digitalização que ainda é uma tarefa que demanda anos para conclusão e preparar e conduzir a equipe do departamento para desafios futuros, em breve também vamos organizar aqui no CEDOC um novo tipo de conteúdo, tentar ser uma pessoa justa com a equipe, ajudar a treinar e desenvolver bons profissionais da área.

Como qualquer ser humano, acho que não podemos parar, depois de muito tempo estou começando a ter vontade de voltar a estudar, creio que as pessoas tenham vários talentos e precisam descobrir isso nelas, depois que identificarmos quais são, precisamos nos aperfeiçoar e dedicar a isso, algo que pode começar como um hobby ou atividade paralela pode se tornar uma atividade principal e prioritária no futuro. Por isso, além, de um projeto com minha família, que envolve agricultura familiar e sustentabilidade, gostaria muito de fazer um mestrado e mesmo doutorado que possibilite, talvez, o desenvolvimento de uma carreira como professora acadêmica, quem sabe até do CID!!! Rsrsrs

 

Gabriela Bazan Pedrão… finalista em concurso da Amazon/Samsung, canal de Youtube e carreira acadêmica!

  • Gabriela Bazan Pedrão, Bacharel em Ciência da Informação e Documentação – USP/Ribeirão Preto. Mestre em Ciências da Informação do Programa de Pós-graduação em Ciências da Informação – UNESP/Marília. Doutoranda no programa de pós graduação em Ciência da Informação – UNESP/Marília.

Essa é a trajetória da Gabriela, que entrou no curso de Ciências da Informação e da Documentação e Biblioteconomia na USP em 2007. Embora no início teve algumas dúvidas e ficou “sem saber exatamente para que tudo aquilo servia”, logo se encontrou e diante altos e baixos conseguiu superar diversos desafios e teve várias conquistas: já assumiu uma biblioteca de um colégio, criou um canal no Youtube, escreveu um livro que ficou na semi final de um concurso organizado pela Editora LeYa e foi finalista de outro promovido pela Amazon. Atualmente, faz doutorado na Unesp de Marília e continua escrevendo. Conheça um pouco mais detalhadamente sobre a história dela…

12140204_905370019518720_114357043690626885_o

Meu nome é Gabriela e vou falar um pouco sobre minha trajetória na CI e meus projetos paralelos, que de alguma forma estão conectados com a área.

Entrei no curso de Ciências da Informação e Documentação (na época ainda sem Biblioteconomia no nome) em 2007. A escolha foi feita porque o curso tinha algumas características que me agradaram, estava na cidade em que eu morava (e ainda moro!) e eu acreditava que seria um bom caminho para se seguir no futuro.

Como a grande maioria, entrei no curso bem perdida e sem saber exatamente para que tudo aquilo servia e onde eu poderia trabalhar. Posso dizer que esse sentimento foi passageiro e, embora as respostas não tenham vindo rapidamente, eu logo percebi que estava no lugar certo.

Vivi uma graduação tranquila no aspecto pessoal, não tive nenhum problema relacionado a disciplinas ou conteúdo, mas no ambiente geral foi mais complicado. O CID estava começando a crescer e o curso ainda tinha muitos problemas relacionados à grade curricular e organização. Passamos por diversas mudanças de docentes e por um momento onde o movimento estudantil era fraco e poucos alunos manifestavam interesse em participar ativamente da melhoria do curso.

Fiz parte do CeCID, CaFI e até da bateria da Filô. Junto de alguns alunos tentamos dar mais visibilidade ao curso e tentar fazer uma integração maior com outros alunos da faculdade.

Acredito que hoje o CeCID está mais fortalecido e o curso mais estável, mas continuo acreditando que essa troca entre alunos de cursos diferentes é muito bacana, principalmente pela possibilidade de sairmos do rótulo de ‘cursos noturnos com alunos que só aparecem para ter aula’. Acho importante, para os alunos que tem a possibilidade, se integrar mais na vida da Universidade, participar em projetos de extensão e divulgar o curso dentro do próprio ambiente universitário.

Durante a graduação trabalhei voluntariamente no Centro de Memória da Escola de Enfermagem por cerca de quatro meses. Foi um trabalho rápido, mas bem proveitoso. A oportunidade de entrar em contato com a parte prática do curso logo de início me deu mais motivação e a possibilidade de ver com as coisas seriam no dia a dia fora da sala.

Após esse trabalho fui estagiária voluntária da Biblioteca Central do campus. Com o estágio obrigatório chegando comecei a procurar oportunidades de emprego na área, mas a situação estava difícil. Fiz diversas entrevistas e depois de perceber que aquele não era meu perfil decidi procurar na Biblioteca uma oportunidade.

Comecei como voluntária porque achava que a rotina como bibliotecária era algo totalmente desconhecido para mim e um buraco em minha formação que eu poderia preencher. Eu não sabia exatamente como era realmente a função e como seria na prática a classificação, catalogação e indexação.

Posso dizer que essa foi sem dúvida uma das minhas melhores escolhas de toda a graduação. Trabalhei junto com a Iara Amorim durante quatro meses e lá meu universo foi expandido. Aprendi na prática o que era visto por cima nas aulas, tive dificuldades, superei cada uma e vi de perto a vida agitada de uma biblioteca universitária de grande porte.

No fim de meu estágio, fui convidada para continuar na Biblioteca como monitora contratada e aceitei. Junto com a minha contratação mais três alunos do curso também entraram na BCRP, trabalhamos em conjunto e acho que essa foi uma das melhores fases da minha graduação.

Após alguns meses como monitora da Biblioteca surgiu uma oportunidade diferente. O Prof. Eduardo Murguia estava com duas vagas para iniciação científica, e como a pesquisa sempre havia sido algo que me interessava, decidi que era o momento de buscar novas experiências.

Fui selecionada por ele para ser beneficiada por uma das bolsas e comecei minha vida no mundo acadêmico. Junto com o Prof. Murguia e outros alunos de IC que trabalhavam com ele, organizamos uma exposição no SESC em Ribeirão sobre coleções pessoais. O tema da exposição era também o tema da minha IC, que trabalhava com coleções pessoais, mas focada em coleções de livros.

No final de 2010 apresentei meu TCC com essa temática e finalizei a graduação. Eu já estava decidida que a carreira acadêmica era meu caminho e prestei mestrado em 2011. Entrei no programa de Ciência da Informação da Unesp de Marília e lá cursei meu mestrado, novamente com orientação do Prof. Eduardo Murguia.

A experiência do mestrado foi incrível para mim. Cresci pessoalmente e profissionalmente cada dia que passei na pós. A vida fora de Ribeirão, as dificuldades de ser orientada por um professor que vivia no Rio de Janeiro, a chegada em um lugar onde eu não conhecia ninguém, tudo trouxe aprendizado e crescimento.

Minha dissertação foi sobre o Arquivo do fundador da Unicamp, Zeferino Vaz. Estudei como esse arquivo é importante dentro da Universidade e como ele constrói um lugar de memória. Foi um trabalho prazeroso que me colocou em contato com diversos profissionais incríveis.

Defendi o mestrado no final de 2013 e em 2014 entrei em um hiato acadêmico. Não houve tempo para prestar os processos de doutorado na própria Unesp e em uma tentativa na USP fui aprovada, mas desclassificada por não passar na prova de espanhol.

Foi um período difícil, pois fui obrigada a parar algo que naquele momento era meu maior sonho. Desmotivada com a carreira acadêmica e a desclassificação, comecei a trabalhar como bibliotecária em um colégio particular em Ribeirão.

Eu já havia prestado serviços temporários ao colégio e fui contratada em Março de 2014 para assumir a biblioteca. A rotina de trabalho estava me fazendo bem e eu estava feliz com o trabalho, mas ainda não estava satisfeita.

Senti que poderia fazer mais tanto em relação ao meu crescimento pessoal, como quanto à divulgação da minha profissão e cultura de leitura. Foi então que criei um canal no Youtube chamado ‘É o último, juro!’, onde eu tinha como ideia central falar sobre as obras literárias que eu havia lido.

A ideia deu certo e o canal continua até hoje. Nele dou foco para obras de fantasia, suspense policial e ficção científica. Escolhi esses temas por serem minhas preferências e também gêneros que eu acredito que ainda ficam um pouco de lado no universo literário. Sempre que possível falo sobre minha profissão e divulgo a área, mas confesso que essa é uma tarefa difícil. Já fui ofendida pessoalmente e já me diminuíram como profissional por simplesmente não concordarem com minhas ideias. É algo que desanima, mas a internet é assim mesmo e isso jamais será um impedimento para mim.

Durante 2014 me dediquei a esse projeto que andou e ganhou espaço e junto com ele decidi tirar outra ideia da gaveta: a de escrever. Sempre fui muito ligada à escrita como profissão e então com essa pausa nos estudos decidi que poderia ser uma boa hora para não apenas ler histórias fantásticas, mas também criar.

Escrevi meu primeiro livro de fantasia e com ele cheguei à semi final do concurso ‘A Fantasy quer o seu mundo’, organizado pela Editora LeYa e seu selo de fantasia, a Fantasy. Foi uma experiência incrível e eu jamais acreditei que chegaria tão longe. Conheci escritores do Brasil todo e fiz algumas amizades que mantenho até hoje.

Desse momento em diante não parei mais, continuei a escrever sempre focando meus temas em mundos fantásticos. Um dos meus objetivos com a escrita é trazer para esses mundos histórias que sempre falem de livros, bibliotecas, pesquisadores e todo o universo que faz parte da minha rotina e que eu desejo que seja divulgado. Acho que nada exerce mais fascínio e curiosidade do que um livro misterioso, uma biblioteca fantástica ou uma pessoa que é extremamente sábia, por isso nunca abandono essas características.

Escrevi sobre uma biblioteca lendária e fui finalista do concurso ‘Brasil em prosa’ promovido pela Amazon em parceria com o Jornal O Globo e a empresa Samsung, agora em agosto de 2015. Atualmente nada tem me dado mais prazer do que poder trazer meus estudos científicos para o mundo da fantasia.

Voltando ao mundo acadêmico, em 2015 fui aprovada no programa de doutorado na Unesp de Marília e estou lá novamente, dessa vez com a orientação da Profa. Maria Leandra Bizello. Hoje meu projeto está focado no Catálogo de Panizzi e a importância dele para a CI. É um projeto recente e ainda em desenvolvimento e aqui estou.

Posso dizer que a área tem seus altos e baixos, como qualquer outra, mas que com certeza não me vejo em nenhum outro lugar. Acho que é muito possível unirmos diversos meios e trabalhar com todos, como estou tentando fazer. É o maior trunfo de nossa área e eu acredito que ainda muito pouco explorado. Espero que essa realidade mude e eu ainda possa ver mais colegas se aventurando em outros mares!

Ana Camillo … “Mudando o conceito de gestão de documentos no 1º Cartório de Registro Civil de Ribeirão Preto”

  • Ana Claudia Messias Camillo, bacharel em Administração – Centro Universitário Barão de Mauá (2002); Bacharel em Ciências da Informação e da Documentação e Biblioteconomia – Universidade de São Paulo (2010); Graduanda em Direito – Centro Universitário Barão de Mauá e Especializanda em Gestão Estratégica de Pessoas – Centro Universitário SENAC.

Em 11 anos de trabalho para uma grande rede de venda de pneus e serviços automotivos, onde começou como estagiária, Ana teve a oportunidade de cursar a graduação em Administração que foi financiada pela própria instituição através de um programa de incentivo. Com a intenção de buscar novas perspectivas, prestou vestibular da Fuvest e em 2006 começou a cursar Ciência da Informação e da Documentação e Biblioteconomia na USP/RP.

“Estar novamente em um ambiente universitário e cercada de tantos talentos realmente foi algo muito motivante.”

A seguir o relato do início da carreira da Ana na área da Ciências da Informação e Documentação:

Ana Camillo foto

Ana Camillo

“Minha trajetória profissional em Ciência da Informação começou no final de 2009, quando atendi um telefonema de um cliente que buscava solução para a compra de pneus para seu carro. Era um carro importado e a loja em que eu trabalhava não disponha de estoque para atendê-lo. Os pneus para aquele modelo de veículo do fabricante que eu representava eram de fabricação alemã e não havia previsão de data para chegarem no Brasil.

Como eu não tinha mercadoria para atender aquele cliente e questionada por ele, fiz o que eu mais gosto de fazer: resolver problemas. Ofereci a ele a solução que resolveria a questão: informações técnicas de marcas, medidas, onde encontraria na concorrência, telefones, endereços e contatos. Não sabia com quem estava falando e fiz o que eu faria normalmente por qualquer cliente que me trouxesse uma questão em que a resposta estivesse ao meu alcance. O cliente gostou muito do atendimento e quis saber quem eu era e o que fazia e tive a oportunidade falar do Curso de Ciência da Informação e Documentação. Ele disse que tinha um projeto e deste atendimento surgiu o convite para um novo trabalho. O cliente em questão era o Dr. Oscar Paes de Almeida Filho, Oficial Delegado do 1º Cartório de Registro Civil de Ribeirão Preto.

Pedi demissão do antigo trabalho e comecei a trabalhar no 1º Cartório de Registro Civil de Ribeirão Preto em janeiro de 2010. O trabalho dos Cartórios de Registro Civil é um trabalho belíssimo: é um grande centro de documentação, onde são registrados atos da vida civil: nascimento, casamento, óbito, interdição, emancipação e outros atos notariais como procurações e reconhecimento de firmas. O critério de entrada dos registros e arquivos é a legislação vigente no país. O Cartório não guarda apenas documentos e registros: arquivamos vidas, famílias, direitos, segurança documental, veracidade, fé pública, mas do que isso, o Cartório de Registro Civil é garantia de uma sociedade livre, justa, solidaria e democrática de direitos.

Nestes quase cinco anos trabalhando no 1º Cartório de Registro Civil tive a oportunidade de participar de muitos projetos de sucesso nas áreas gestão, automação de processos, marketing, relacionamento com clientes externos e internos além de projetos sociais.”

Sobre os projetos realizados e a Fundamental Gestão de Documentos:

Ana Camillo_ Fundamental

Da esquerda pra direita: Rodrigo Lima – funcionário e aluno do CID USP; Gilson Arruda – funcionário e aluno Direito UNIP; Ana Camillo – funcionária e personagem principal da nossa matéria e Pedro Falsarella – funcionário e aluno Economia Moura Lacerda.

“Os projetos que mais destacam na área de Ciência da Informação foram: atualização de bases de dados, criação de índices informatizados, emissão de Certificados Digitais Rede ICP -Brasil e digitalização e disponibilização do acervo em software de Gestão Eletrônica de Documentos. O acervo do 1º Cartório iniciou em 1889. Todo este trabalho reflete em um melhor atendimento para usuário e redução de custos para a serventia.

O Registro Civil Brasileiro vive projetos inéditos: hoje as bases de dados com índices estão interligadas nos Estados de São Paulo, Acre, Espirito Santo, Goiás e Santa Catarina e para estes Estados é possível solicitar certidões sem sair de casa.

Da experiência no 1º Cartório de Registro Civil surgiu a Fundamental Gestão de Documentos: uma empresa de Gestão Documental, que está iniciando, mas conta com uma equipe de 4 funcionários e além do 1º Cartório atende outros Cartórios de Ribeirão Preto e região. Nosso sonho é crescer e tornarmos referência de qualidade, segurança e confiança no setor.”

Ana finaliza seu relato com um recado especial aos alunos de Ciência da Informação e Documentação:

“Para os alunos de Ciência da Informação e Documentação que leem este texto digo: não desanimem. O caminho é árduo, mas é gratificante. Sabe aquela aula de automação de bibliotecas que parece chata? Os conceitos de automação que são ensinados nesta matéria podem ser aplicados não só em bibliotecas mas em vários outros ramos de atividade. Aulas sobre o prédio do arquivo e técnicas de preservação? Aulas de Linguística e História? Você vai usar, tenha certeza.

Seja atuando em Bibliotecas, Centros De Documentação, Museus, Hospitais ou na Gestão de Organizações enxergo mercado para alunos oriundos do Curso de Ciência da Informação pois há uma grande carência deste profissional. Cabe a nós, alunos, professores e alunos egressos divulgar este maravilhoso curso e explorar mais as possibilidades. Tenho certeza que temos muito a contribuir.”

Entrevista feita por Ana Santana, em 03/12/2014