Rosângela Galdino… Trajetória e experiências: da biblioteca escolar para o IFSP

Nasci na pequena e pacata cidade de Tambaú, localizada a 115 km de Ribeirão Preto e famosa pelo Padre Donizetti, o “padre milagroso” que até hoje atrai milhares de fiéis ao município.

Sempre amei matemática, mas quando fui escolher um curso para o vestibular, preferi a área de humanas. Optei pelo CID após ler o manual, achar atraente a sua multidisciplinaridade e localização (Ribeirão Preto), além de ser curso recém-criado na época, com muitos atrativos e pouca concorrência.

Iniciei o curso em 2005, com grandes expectativas e como muitos jovens, totalmente perdida ao morar longe da família. Essa foi uma época de novas descobertas e amadurecimento. O curso ainda passava por contratações de professores, mudanças na grade disciplinar, mas havia grande interação entre a maioria dos alunos de todas as turmas e inclusive com a Pedagogia, já que tínhamos aulas no mesmo prédio.

Naquela época não havia tantas bolsas na USP, então a disputa era alta pelas que existiam. Passei o primeiro ano me dedicando apenas às disciplinas. No segundo, juntamente com outros colegas e com orientação da Profa. Lucília, participei como voluntária na organização da biblioteca que atendia ao assentamento Mário Lago do MST, minha primeira experiência na área. Posteriormente, fiz estágio no Museu Histórico da FMRP com orientação da Profa. Sílvia por um ano e monitoria na pró-aluno da FFCLRP por dois anos.

Acredito que minha turma tenha sido a primeira do CID em que a maior parte dos alunos não tinha outra atividade além de estudar, portanto, nos envolvíamos mais em atividades extraclasses e movimentos estudantis. Participei da bateria da Filô, CECID, CAFi, Atlética, fui representante discente na COC CID, fiz aulas no CEFER, além de ir aos Encontros de Estudantes de Biblioteconomia e de fazer vários cursos oferecidos pelo câmpus da USP de Ribeirão Preto.

galdino-blogAs disciplinas técnicas do nosso curso e as disciplinas que eram oferecidas para o CID por professores de outros cursos (ênfase) foram as que exigiram maior dedicação durante a minha graduação. Os conhecimentos que adquiri durante o curso, juntamente com as experiências adquiridas dessa vivência universitária, guiaram-me em minha vida profissional e acadêmica.

Durante a graduação sempre tive grande admiração pela Profa. Giulia e isso me levou a ser sua orientanda. Apaixonada por cinema, optei por pesquisar sobre os cineteatros e cinemas de Ribeirão Preto (equipamentos culturais da modernidade). A oportunidade de pesquisar algo de que realmente gostava tornou a atividade ainda mais prazerosa. O trabalho foi solicitado por alguns pesquisadores nos últimos anos, inclusive por um funcionário do MIS de Ribeirão Preto.

Após a apresentação do TCC e com a formatura é que veio a dúvida: o que fazer agora? Nos primeiros meses fiz algumas entrevistas e consegui uma vaga na UNIP de São José do Rio Pardo. Não foi muito fácil no início, não estava preparada para as dificuldades em lidar com a chefia e a equipe da biblioteca. Infelizmente, não é sempre que somos bem recebidos nesses locais, ainda há preconceitos ou desconhecimento quanto à profissão. Nos primeiros meses foi um grande desafio desenvolver as atividades rotineiras da função de bibliotecário, mas com o apoio da coordenadora de bibliotecas e de alguns colegas bibliotecários de outras unidades, fui adquirindo conhecimentos, me tornei mais confiante no trabalho e isso simplificou/ facilitou minha vida no trabalho.

Em 2010 comecei a participar de processos seletivos para concursos públicos, mas apesar de me classificar, não fui nomeada e em 2012 decidi participar do processo seletivo do SESI-SP. Alguns amigos já trabalhavam e me incentivaram. Passei e optei pela unidade de Santa Bárbara d’Oeste.

A biblioteca estava fechada havia alguns anos e cheguei com a missão de “fazer funcionar”. O SESI possuía alguns procedimentos que deveriam ser desenvolvidos em todas as bibliotecas, o empréstimo de livros era intercalado com atividades de incentivo à leitura ou que complementassem os assuntos trabalhados em sala de aula (solicitadas pelos professores). O principal desafio foi descobrir quais atividades realizar com as crianças e como realizar parcerias com os professores.

Conversei com colegas das outras escolas da rede para saber o que faziam, como envolviam os professores nas atividades e foi muito proveitosa essa troca de experiências, pois me ajudaram com ideias para realizar atividades de incentivo à leitura, entre outras. Os primeiros seis meses foram mais difíceis, pois foi preciso incutir o hábito de ir à biblioteca não só nos alunos, mas na maioria dos professores.

Felizmente deu certo. O trabalho de parceria funcionou, os professores solicitavam o tema que queriam que fosse trabalhado nas atividades da semana e eu desenvolvia (pequenos vídeos, palavras-cruzadas, caça-palavras, pequenos textos, jogos, etc.). A biblioteca não ficava mais vazia e era realmente prazeroso ver o desenvolvimento e aprendizagem dos alunos.

Adorava trabalhar no SESI, tanto que quando fui nomeada no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) fiquei em dúvida se deveria aceitar. No entanto, considerando não apenas o salário, mas os benefícios, como incentivo à qualificação, possibilidade de afastamento para fazer a pós-graduação, jornada flexibilizada (trabalhar 6 horas diariamente), entre outros, havia ainda a estabilidade do serviço público.

Estou no IFSP Câmpus Capivari desde 2014. Assumi a vaga juntamente com outra bibliotecária e mais duas auxiliares de biblioteca. O acervo não havia passado pelo processamento técnico, os empréstimos eram realizados pelo ISBN e a organização nas estantes era por assunto, mas pelos critérios que apenas uma pessoa entendia (quem havia organizado).

As bibliotecas do IFSP ainda passam por várias mudanças, pois transformaram-se em rede no ano de 2014/2015. Atualmente o IFSP utiliza o sistema Pergamum para gerenciar o acervo de sua rede de bibliotecas. Já foram implementados alguns documentos (regulamento, política de desenvolvimento de coleções, catalogação, entre outros) que visam melhorar e unificar os procedimentos que são realizados por todos os bibliotecários que compõe a rede. Esse avanço deu-se, principalmente, pelo trabalho realizado pela coordenadora de bibliotecas que atua na reitoria.

Já trabalhei em biblioteca universitária, escolar e atualmente atuo em uma biblioteca mista, já que atende o ensino médio-técnico, graduação e pós-graduação, além da comunidade em geral. Todas contribuíram para meu crescimento e amadurecimento profissional, sou grata pela minha jornada trilhada até o momento. Estou satisfeita com o trabalho e no próximo ano começarei a trabalhar no IFSP Câmpus Piracicaba (outra vantagem do IFSP é a possibilidade de remoção entre os câmpus do Estado de São Paulo). Pretendo ainda dar continuidade à vida acadêmica com a pós-graduação.

Acredito que o perfil dos alunos que entram no curso mudou, mas independente disso, eu diria: aproveitem! Aproveitem as aulas, a disposição dos professores em ensinar, os estágios, os eventos na área, enfim, aproveitem tudo o que a USP oferece. Se o interesse é por disciplinas da área de administração, façam disciplinas na FEA, corram atrás, façam acontecer…

Anúncios

Rosângela Galdino… Trajetória e experiências: da biblioteca escolar para o IFSP

Nasci na pequena e pacata cidade de Tambaú, localizada a 115 km de Ribeirão Preto e famosa pelo Padre Donizetti, o “padre milagroso” que até hoje atrai milhares de fiéis ao município.

Sempre amei matemática, mas quando fui escolher um curso para o vestibular, preferi a área de humanas. Optei pelo CID (Biblioteconomia e Ciências da Informação e da Documentação, na época o nome era Ciências da Informação e da Documentação) após ler o manual, achar atraente a sua multidisciplinaridade e localização (Ribeirão Preto), além de ser curso recém-criado na época, com muitos atrativos e pouca concorrência.

Galdino-Blog.JPG

Iniciei o curso em 2005, com grandes expectativas e como muitos jovens, totalmente perdida ao morar longe da família. Essa foi uma época de novas descobertas e amadurecimento. O curso ainda passava por contratações de professores, mudanças na grade disciplinar, mas havia grande interação entre a maioria dos alunos de todas as turmas e inclusive com a Pedagogia, já que tínhamos aulas no mesmo prédio.

Naquela época não havia tantas bolsas na USP, então a disputa era alta pelas que existiam. Passei o primeiro ano me dedicando apenas às disciplinas. No segundo, juntamente com outros colegas e com orientação da Profa. Lucília, participei como voluntária na organização da biblioteca que atendia ao assentamento Mário Lago do MST, minha primeira experiência na área. Posteriormente, fiz estágio no Museu Histórico da FMRP com orientação da Profa. Sílvia por um ano e monitoria na pró-aluno da FFCLRP por dois anos.

Acredito que minha turma tenha sido a primeira do CID em que a maior parte dos alunos não tinha outra atividade além de estudar, portanto, nos envolvíamos mais em atividades extraclasses e movimentos estudantis. Participei da bateria da Filô, CECID, CAFi, Atlética, fui representante discente na COC CID, fiz aulas no CEFER, além de ir aos Encontros de Estudantes de Biblioteconomia e de fazer vários cursos oferecidos pelo câmpus da USP de Ribeirão Preto.

As disciplinas técnicas do nosso curso e as disciplinas que eram oferecidas para o CID por professores de outros cursos (ênfase) foram as que exigiram maior dedicação durante a minha graduação. Os conhecimentos que adquiri durante o curso, juntamente com as experiências adquiridas dessa vivência universitária, guiaram-me em minha vida profissional e acadêmica.

Durante a graduação sempre tive grande admiração pela Profa. Giulia e isso me levou a ser sua orientanda. Apaixonada por cinema, optei por pesquisar sobre os cineteatros e cinemas de Ribeirão Preto (equipamentos culturais da modernidade). A oportunidade de pesquisar algo de que realmente gostava tornou a atividade ainda mais prazerosa. O trabalho foi solicitado por alguns pesquisadores nos últimos anos, inclusive por um funcionário do MIS de Ribeirão Preto.

Após a apresentação do TCC e com a formatura é que veio a dúvida: o que fazer agora? Nos primeiros meses fiz algumas entrevistas e consegui uma vaga na UNIP de São José do Rio Pardo. Não foi muito fácil no início, não estava preparada para as dificuldades em lidar com a chefia e a equipe da biblioteca. Infelizmente, não é sempre que somos bem recebidos nesses locais, ainda há preconceitos ou desconhecimento quanto à profissão. Nos primeiros meses foi um grande desafio desenvolver as atividades rotineiras da função de bibliotecário, mas com o apoio da coordenadora de bibliotecas e de alguns colegas bibliotecários de outras unidades, fui adquirindo conhecimentos, me tornei mais confiante no trabalho e isso simplificou/ facilitou minha vida no trabalho.

Em 2010 comecei a participar de processos seletivos para concursos públicos, mas apesar de me classificar, não fui nomeada e em 2012 decidi participar do processo seletivo do SESI-SP. Alguns amigos já trabalhavam e me incentivaram. Passei e optei pela unidade de Santa Bárbara d’Oeste.

A biblioteca estava fechada havia alguns anos e cheguei com a missão de “fazer funcionar”. O SESI possuía alguns procedimentos que deveriam ser desenvolvidos em todas as bibliotecas, o empréstimo de livros era intercalado com atividades de incentivo à leitura ou que complementassem os assuntos trabalhados em sala de aula (solicitadas pelos professores). O principal desafio foi descobrir quais atividades realizar com as crianças e como realizar parcerias com os professores.

Conversei com colegas das outras escolas da rede para saber o que faziam, como envolviam os professores nas atividades e foi muito proveitosa essa troca de experiências, pois me ajudaram com ideias para realizar atividades de incentivo à leitura, entre outras. Os primeiros seis meses foram mais difíceis, pois foi preciso incutir o hábito de ir à biblioteca não só nos alunos, mas na maioria dos professores.

Felizmente deu certo. O trabalho de parceria funcionou, os professores solicitavam o tema que queriam que fosse trabalhado nas atividades da semana e eu desenvolvia (pequenos vídeos, palavras-cruzadas, caça-palavras, pequenos textos, jogos, etc.). A biblioteca não ficava mais vazia e era realmente prazeroso ver o desenvolvimento e aprendizagem dos alunos.

Adorava trabalhar no SESI, tanto que quando fui nomeada no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) fiquei em dúvida se deveria aceitar. No entanto, considerando não apenas o salário, mas os benefícios, como incentivo à qualificação, possibilidade de afastamento para fazer a pós-graduação, jornada flexibilizada (trabalhar 6 horas diariamente), entre outros, havia ainda a estabilidade do serviço público.

Estou no IFSP Câmpus Capivari desde 2014. Assumi a vaga juntamente com outra bibliotecária e mais duas auxiliares de biblioteca. O acervo não havia passado pelo processamento técnico, os empréstimos eram realizados pelo ISBN e a organização nas estantes era por assunto, mas pelos critérios que apenas uma pessoa entendia (quem havia organizado).

As bibliotecas do IFSP ainda passam por várias mudanças, pois transformaram-se em rede no ano de 2014/2015. Atualmente o IFSP utiliza o sistema Pergamum para gerenciar o acervo de sua rede de bibliotecas. Já foram implementados alguns documentos (regulamento, política de desenvolvimento de coleções, catalogação, entre outros) que visam melhorar e unificar os procedimentos que são realizados por todos os bibliotecários que compõe a rede. Esse avanço deu-se, principalmente, pelo trabalho realizado pela coordenadora de bibliotecas que atua na reitoria.

Já trabalhei em biblioteca universitária, escolar e atualmente atuo em uma biblioteca mista, já que atende o ensino médio-técnico, graduação e pós-graduação, além da comunidade em geral. Todas contribuíram para meu crescimento e amadurecimento profissional, sou grata pela minha jornada trilhada até o momento. Estou satisfeita com o trabalho e no próximo ano começarei a trabalhar no IFSP Câmpus Piracicaba (outra vantagem do IFSP é a possibilidade de remoção entre os câmpus do Estado de São Paulo). Pretendo ainda dar continuidade à vida acadêmica com a pós-graduação.

Acredito que o perfil dos alunos que entram no curso mudou, mas independente disso, eu diria: aproveitem! Aproveitem as aulas, a disposição dos professores em ensinar, os estágios, os eventos na área, enfim, aproveitem tudo o que a USP oferece. Se o interesse é por disciplinas da área de administração, façam disciplinas na FEA, corram atrás, façam acontecer…

Hugo Abud .. “Gibiteca Henfil do Centro Cultural São Paulo”

  • Hugo Leonardo Abud, bacharel em Ciências da Informação e da Documentação e Biblioteconomia  – USP/Ribeirão Preto

A trajetória do Hugo até se tornar coordenador da Gibiteca Henfil do Centro Cultural de São Paulo começou em 2004 quando ingressou na Universidade de São Paulo, no curso de Ciências da Informação e da Documentação e Biblioteconomia, onde desenvolveu estágios e projetos de pesquisa nas três grandes áreas que compreendem a Ciência da Informação: a Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia. Em janeiro de 2009, um ano após sua formação, entrou na Prefeitura do Município de São Paulo e em maio do mesmo ano assumiu a coordenação da Gibiteca Henfil do Centro Cultural São Paulo:

Hugo

Hugo

“Em 2013 fui convidado pela diretoria do Centro Cultural São Paulo a coordenar a Divisão de Coleções Especiais do Centro Cultural São Paulo, esta divisão compreende além da Gibiteca Henfil, a Biblioteca Louis Braile, a Sala de Leitura Infanto-Juvenil e a unidade de Recursos Audiovisuais. Esta divisão conta com 26 servidores públicos, alguns inclusive cegos que atendem na biblioteca braile tais como: bibliotecários, copistas em braile, professores, instrutores culturais, funcionários de carreira e admitidos. Além de exercer a coordenação desta grande divisão concomitante a esse trabalho também acumulo a função na coordenação da Gibiteca Henfil.”

A Gibiteca Henfil uma homenagem ao desenhista, jornalista e escritor Henrique de Souza Filho, mais conhecido como Henfil, foi inaugurada no dia 3 de maio de 1991 na Biblioteca Infanto-Juvenil Viriato Corrêa. Com o grande aumento do acervo através de doações, a Gibiteca Henfil tornou-se a maior instituição do gênero no país, e em 1999 foi transferida para o Centro Cultural São Paulo virando uma das seções da Biblioteca Sérgio Milliet.

O acervo da Henfil é composto por álbuns, revistas e livros de HQ, de RPG, fanzines e recortes de periódicos, totalizando 10.446 títulos e 119.124 exemplares e publicações dos anos 50 e 60 das editoras Brasil América (EBAL), Adolfo Aizen, Rio Gráfica (RGE), Roberto Marinho, La Selva, Vecchi, Trieste/SP entre outros.

Hugo destacou duas exposições que ocorreram na Gibiteca Henfil: “O espírito vivo de Will Eisner” e “Heróis Urbanos”.

wiil eisner

“O espírito vivo de Will Eisner”

“O espírito vivo de Will Eisner”: ficou em cartaz de 15 à 18 de novembro  de 2011, e contou com 107 desenhos originais da coleção do norte-americano Will Eisner, e o destaque da exposição foi uma estátua me bronze de 38 centímetros do personagem principal do quadrinista, detetive mascarado Spirit. links: http://www.select.art.br/article/da_hora/o-espirito-vivo-de-will-eisner-em-sp  http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/comunicacao/noticias/?p=113017  https://www.facebook.com/media/set/?set=a.284455951661126.30439852.281587595281295&type=3

herois_urbanos

“Heróis Urbanos”

“Heróis Urbanos”: ficou em cartaz de 11 à 28 de outubro de 2012, composta por 18 painéis fotográficos em que um um boneco de 30 com de super-herói dos quadrinhos, filmes e games se misturam a pontos turísticos de São Paulo, da fotógrafa Katia Arantes. links:
http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,mostra-fotografica-exibe-super-herois-em-pontos-turisticos-da-cidade-de-sp,929375 http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/comunicacao/noticias/?p=107926

ugrazinefest2014

“4º UgraZine Fest”

Além dessas e outras exposições, a Gibiteca Henfil promoveu  a 3º UgraZine Fest 2013 um evento anual que reúne fanzines (uma revista editada por fã) e publicações independentes. Com dois dias de atividades, palestras, oficinas, debates, exibição de documentários, entre outros. Essa edição foi indicada como melhor evento de 2013 ao prêmio HQ Mix, o “Oscar” dos HQ’s no Brasil, ficando na terceira colocação. A 4º UgraZine Fest já tem data marcada, será nos dias 20 e 21 de setembro, no Centro Cultural São Paulo (CCSP).  links:
http://intervalobanger.com/fanzines/3o-ugra-zine-fest-no-centro-cultural-sao-paulo/ https://www.facebook.com/media/set/?set=a.10151559335869558.1073741829.351813724557&type=3

A seguir, trechos da entrevista com o Hugo, em que ele relata como se adaptou ao tema HQ e suas contribuições para a melhoria das bibliotecas públicas de São Paulo em relação a linguagem e técnicas de catalogação para HQ:

“Outro grande desafio que tive na qualidade de coordenador da Gibiteca Henfil foi o de inserir a linguagem das Histórias em Quadrinhos no Sistema Municipal de Bibliotecas Públicas da Cidade de São Paulo, a pedido dos colegas bibliotecários e principalmente da diretoria de processamento de dados (Rede de Bibliotecas + 150 bibliotecas) da Prefeitura da Cidade de São Paulo. Fui e ainda sou responsável por treinar bibliotecários, auxiliares de bibliotecas e operacionais numa linguagem pouco conhecida por eles que são as HQs e hoje todas as bibliotecas da cidade de São Paulo possuem histórias em quadrinhos em seus acervos. Uma grande vitória para uma linguagem que até então era pouco valorizada na cultura pelos profissionais de bibliotecas, foi de fato e está sendo gradativamente um grande desafio em minha carreira profissional”.

“Após um tempo e inevitavelmente eu teria que me inserir de vez na relação “Práticas Biblioteconômicas e Histórias em Quadrinhos”, atualmente sou membro do Núcleo de Catalogação do Sistema Municipal de Bibliotecas e exerço principalmente esta ponte entre HQs e as técnicas de Catalogação utilizadas na rede de bibliotecas; a partir destas práticas e de minha experiência em equipe pude escrever um artigo para o I Encontro Nacional de Catalogadores e III Encontro de Estudos e Pesquisas em Catalogação no Rio de Janeiro (Biblioteca Nacional 2012); neste artigo apresentei a metodologia de classificação e catalogação utilizada no Sistema Municipal de Bibliotecas da Cidade de São Paulo”.

“Venho ao longo do tempo propondo medidas administrativas que buscam inovar o papel dos servidores públicos frente a novos desafios da tecnologia e que são essenciais na organização da Gibiteca”.

Entrevista na Íntegra e artigos relacionados: https://www.dropbox.com/sh/d9shxb2ycrwt2bo/AAB-KDsX6zFj2BYu4yQJeb8Va?dl=0

Facebook Gibiteca Henfil: https://www.facebook.com/gibiteca.henfil?fref=ts

Entrevista feita por Ana Santana, em 20/08/2014

Haroldo Beraldo .. “Geladeiroteca: consuma aqui e alimente seu espírito” e “Todo dia é dia de ler”

Projetos: “Geladeiroteca: consuma aqui e alimente seu espírito” e “Todo dia é dia e ler”

  • Haroldo Luís Beraldo, bacharel em Ciências Sociais/UFSCar e Ciências da Informação e da Documentação USP/Ribeirão Preto

Nesse post, o Haroldo vai contar pra gente como começou o seu envolvimento com livros e literatura, sobre os dois projetos que elaborou e executou na Biblioteca General Álvaro Tavares Carmo e como isso repercutiu na cidade de Sertãozinho, interior de São Paulo.

977919_203347823151958_1755689992_o

Haroldo

“A minha trajetória com projetos que envolvem o livro e a leitura se iniciou em 2007, quando coloquei em prática na 5ª Feira do Livro de Sertãozinho o “Traça da Praça”, um sebo de livros onde as pessoas adquiriam livros e gibis por preços simbólicos ou trocavam materiais, doando um livro para o projeto e levando outro pra casa.

Em 2008 formei-me em Ciências Sociais pela UFSCar e em 2010 entrei no curso de Ciências da Informação e da Documentação na USP/Ribeirão Preto. A princípio tudo indicava que as demandas de trabalho não ultrapassavam o atendimento de balcão, além da retirada e reposição do acervo nas estantes. Entretanto, muita coisa estava por acontecer.

No início de 2013, saiu um edital do MinC (Ministério da Cultura) que possibilitava uma série de municípios a terem seus Pontos de Leitura. Isso consistia em uma premiação de R$20.000,00 (Vinte mil reais) para cada Ponto a serem aplicados de acordo com as diretrizes estabelecidas nos projetos dos proponentes.Em Sertãozinho tivemos duas possibilidades de contemplação com Pontos de Leitura e uma das propostas escolhidas foi o “Todo dia é dia de ler”, projeto a ser colocado em prática na biblioteca Gen. Alvaro Tavares Carmo.”

“Geladeiroteca: consuma aqui e alimente seu espírito”1383232_251960008290739_111801188_n

“Basicamente, a ideia do projeto consiste numa carcaça de geladeira customizada com recortes de enciclopédias e gibis onde ficam disponíveis vários livros para retirada livre e gratuita por parte da população. O projeto girou durante os quatro dias da Feira do Livro e nesse ínterim foram repassados à comunidade mais de 400 livros, todos captados na biblioteca por meio de doações.

Para a nossa surpresa, o projeto foi um sucesso, gerando repercussão na mídia local e regional, com matérias de jornais e televisivas. Para que a ideia não ficasse limitada à Feira do Livro, estabelecemos uma parceria com uma associação de bairros de Sertãozinho que tem sede em um clube esportivo do município. Dessa forma, acabamos dando continuidade no projeto atendendo aproximadamente 800 pessoas que usam o clube e participam das atividades desenvolvidas no mesmo. Foi a maneira que encontramos de fazer com que nosso trabalho repercutisse na população e se mantivesse ativo.”

“Todo dia é dia de ler”

“A ser colocado em prática na biblioteca Gen. Alvaro Tavares Carmo, basicamente estipulamos que parte do nosso investimento seria para potencializar o acervo atendendo a demandas de curso superiores e técnicos existentes em instituições de ensino público e privado no município de Sertãozinho, além de livros de literatura universal, 1622289_296150920538314_1716721980_oinfantojuvenil, histórias em quadrinhos e audiolivros. Também tivemos a preocupação em investir na estrutura física da biblioteca criando um novo espaço de 14m² com guarda-volumes e estantes para livros infantis. E, por fim, parte do prêmio foi direcionado para adquirirmos equipamentos multimídia com o intuito de oferecer diferentes tecnologias para nossos usuários e visitantes. Dentre as ofertas estão um tablet e dois e-readers.

Durante o período de vigência do Ponto de Leitura “Todo dia é dia de ler”, participamos pela segunda vez de uma edição da Feira do Livro de Sertãozinho com o estande da biblioteca Gen. Alvaro Tavares Carmo”.

O Haroldo me enviou também, links das matérias online que saíram sobre a Bibliteca General Álvaro Tavares Carmo e os projetos desenvolvidos nela, por ele.
Facebook: https://www.facebook.com/BibliotecaCanaoeste
Links: http://www.canaoeste.com.br/conteudo/cruz-das-posses-sedia-entrega-de-pontos-de-leitura-sertanezinos-164139; http://www.abasertaozinho.com.br/aba/index.php/noticias/239-geladeiroteca-e-lancado-oficialmente; http://www.blogdogaleno.com.br/2013/11/27/em-sertaozinho-sp-tem-livro-ate-na-geladeira.

Entrevista feita por Ana Santana, em 24/04/2014

EDITADO EM 23/12/2014

O projeto do aluno Haroldo Beraldo foi premiado com o “Prêmio Vivaleitura 2014!”, tendo recebido das mãos da Ministra da Cultura, interina, Ana Cristina Wanzeler, em cerimônia realizada no dia 16/12 no Salão Nobre na Câmara dos Deputados. O projeto da Geladeiroteca esteve entre os 998 projetos inscritos que representaram todas as regiões do Brasil e o egresso Haroldo e sua geladeiroteca ficaram entre os cinco melhores projetos na categoria de Bibliotecas públicas, privadas e comunitárias

Paula, Jeane e Camila .. “Reativação e Inserção da comunidade na Biblioteca Olavo Bilac”

Projeto “Reativação e Inserção da comunidade na Biblioteca Olavo Bilac”

Alunos participantes do projeto:

  • Paula Castro, bacharel em Ciências da Informação e da Documentação e Biblioteconomia
  • Jeane Silva, bacharel e Ciências da Informação e da Documentação e Biblioteconomia
  • Camila Signorini, licenciada em Pedagogia
1468616_709896482356712_79248856_n

Paula

Tudo começou quando Paula, Camila e Jeane fizeram uma oficina de elaboração de projetos culturais no Memorial da Classe Operária – UGT, em Ribeirão Preto. Através desse projeto a Paula teve acesso uma grande listade bibliotecas públicas de Ribeirão Preto que estavam desativadas, e comentando coma colega de curso Jeane Silva e a Camila Signorini do curso de pedagogia, resolveram juntas elaborar um projeto que tivesse como objetivo central reativar uma dessas bibliotecas públicas.

Foi assim que surgiu o projeto “Reativação e Inserção da comunidade na Biblioteca Olavo Bilac” desenvolvido no período de fevereiro de 2013 a novembro de 2013, projeto este contemplado no Edital n.º 011/2012 do Programa de Incentivo Cultural 2013 da Prefeitura e Secretaria Municipal de Cultura de Ribeirão Preto.

A Biblioteca Municipal Olavo Bilac foi inaugurada em 2003, na Administração Regional da Vila Tibério, como parte integrante do Programa Ribeirão das Letras, 1233603_1407588632801531_1921006809_nque tinha como objetivo incentivar a leitura na cidade de Ribeirão Preto/SP. A Paula me contou que mesmo a biblioteca desativada até intervenção do projeto contemplado pelo PIC 2013, ela possuía um acervo com livros bem conservados, boa localização, pois fica próxima da área central da cidade e uma estrutura física passível de reativação a partir de políticas públicas e projetos adequados. Atualmente, a biblioteca possui um acervo de aproximadamente 1.700 ex emplares, que em sua maior parte é composto por doações de moradores do bairro e sujeitos que utilizam os serviços (assistência jurídica, IPTU, CPFL,37105_1407588726134855_1722482965_n Departamento de Água e Esgoto, dentre outros) da Administração Regional.

Segundo Paula, “A intenção era construir um espaço de referência de propagação do saber e do ensinar, ofertando aos seus frequentadores um meio de acessar as fontes de informações e também proporcionar um local para divulgação e propagação de manifestações culturais da comunidade local. A proposta tinha como objetivo fazer com que os sujeitos se sentissem pertencentes ao espaço, reconhecendo a necessidade de manter o funcionamento do local, assim como atividades que ocupem o mesmo, aproximando a comunidade deste espaço da Biblioteca.”

Junto com a organização física da biblioteca houve uma preocupação com a organização de oficinas e atividades culturais, como entre outras: aula do livro (literatura para vestibular), oficinas de e arte atividades diárias com as crianças e mostra cultural. Assim foi desejado por elas, 1411_1436486413245086_17367765_naproximar a comunidade do espaço cultural, tornando ele um meio de lazer, conhecimento e aprendizagem. Paula me mostrou números que demonstra que os frequentadores da bibliotecas aumentaram entre os meses de Setembro e Novembro de 2013, e que o público predominante foi o infantil, com crianças entre de 3 a 12 anos e todas matriculadas em escolas públicas.

Hoje após a finalização do projeto, a Biblioteca continua ativa aos cuidados de uma pedagoga voluntária e funcionários públicos da Administração Regional da Vila Tibério que não são formados na área de Biblioteconomia. Elas acreditam que esta preocupação em manter a biblioteca ativa deveu-se a todo o processo de reativação que proporcionou a ocupação do espaço por parte do público.

Em “off” a Paula me contou que existe hoje mais de 80 bibliotecas desativas em Ribeirão Preto.  

Site da biblioteca http://bibliotecaolavobilac.wix.com/biblio e Facebook https://www.facebook.com/olavo.bilac.5815?fref=ts.

O Professor José Eduardo Santarem Segundo, coordenador do Curso de Ciências da Informação e da Documentação, da USP de Ribeirão Preto, onde Paula e Jeane foram alunas, entende que este projeto caracteriza muito bem o papel social que a Universidade de São Paulo tem em formar profissionais integrados com a comunidade e principalmente com causas sociais importantes como o saber e a leitura. Diz ainda que a atitude das alunas mostra o lado empreendedor que o curso tem discutido muito nos últimos anos.

Entrevista feita por Ana Santana, em 26/01/2014

Começamos mais um projeto, mais uma história.. muitos capítulos virão!!

Caros leitores, este novo blog nasce de uma iniciativa acadêmica, na perspectiva de apresentar projetos e ideias de alunos que passam pelo Curso de Ciências da Informação e da Documentação e Biblioteconomia da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto (USP-RP).

O objetivo é levar até a comunidade geral (acadêmica, especializada na área ou sem conhecimento algum do assunto) os trabalhos que são desenvolvidos pelos alunos do curso. Serão apresentados trabalhos realmente empreendedores que os alunos desenvolvem através de projetos de pesquisa ou de extensão, enquanto alunos ou mesmo depois já como egressos do curso.

O mais importante é sempre divulgar uma gama imensa de trabalhos relevantes que são produzidos e raramente são comunicados à sociedade.

Espero sinceramente que possamos apresentar grande ideias a comunidade e que também possamos estimular a criatividade e o desenvolvimento empreendedor de nossos alunos.

Até mais,

Prof. Dr. José Eduardo Santarem Segundo